BLOG TUNANTE

domingo, 21 de dezembro de 2014

Um pouco da história da Tuna Luso Brasileira - Tiaguinho

Germano Tiago Dos Santos Soares, caboclo bom de bola, nascido em Mazagão-AP. Filho de pai paraense (jogador amador) e mãe amapaense, Tiaguinho, como era mais conhecido, começou a jogar futebol bem novo, com cinco anos, sempre com incentivo de seu pai. Aos 24 anos, através de um torcedor chamado Nelson Pereira (hoje morando em Marapanim), foi levado para Belém para jogar no time de profissionais da Tuna Luso Brasileira, em 1983, onde veio a se transformar em um dos melhores ponta direita que o futebol paraense já viu jogar, quando essa posição ainda era bastante usada no futebol mundial. 
Tiaguinho jogou na Tuna Luso de 1983 a 1988. Em 1989, foi transferido para o Clube do Remo, onde ficou até 1991. Posteriormente, em 1991, foi contratado pelo Paysandu, e em 1992 defendeu atuou pelo Izabelense-PA. 
No final de 1992, Tiaguinho retornou para Macapá, onde ainda jogou por alguns anos defendendo vários clubes locais, conquistando títulos e finalmente encerrando sua carreira como jogador profissional de futebol.
Quem o viu jogar lembra de suas jogadas desconcertantes e bonitas. Quem não viu, pelo menos terá, a partir dessa matéria, a rara oportunidade de saber quem foi Tiaguinho, um dos melhores ponta direita que o futebol do Pará já viu.
Tiago diz que foi muito bem tratado no período em que jogou na Tuna, e que tem saudades daquele tempo de conquistas inesquecíveis. Perguntado sobre alguma frustração daquele tempo, Tiago diz: "Só tenho agradecimentos a fazer, tristeza mesmo foi de não ter ganho o titulo de 1984, que seria o bi campeonato, num jogo demais polêmico contra o Paysandu. Naquele ano o nosso time jogava por música", afirma Tiago. 
A maioria dos jogadores que foram formados ou descobertos na Tuna para o futebol paraense e brasileiro, geralmente são torcedores de coração da Lusa paraense e passaram a sentir pelo time e clube uma forte ligação de amor e carinho.
Tiaguinho com a camisa da querida Tuna Luso, em 1984.

Bate bola de perguntas e respostas com Tiaguinho:

01) NOME DO PAI E DA MÃE, SEU NOME COMPLETO, ANO E LOCAL DE NASCIMENTO:
R- Nomes dos meus pais: Germano Soares e Terezinha dos Santos Soares. 
Meu nome: Germano Tiago - nascido em 22.05.1956, Mazagão-AP;

02) SE CASADO E COM FILHOS, QUAIS OS NOMES DELES? 
R- Divorciado do 1º casamento, 06 filhos (Cremilson, Cristiane, Crenilson, Katirene, Kátila e Germano Jr;

03) QUAL SUA ATUAL PROFISSÃO? 
R- Treinador de Futebol;

04) QUANDO DESCOBRIU QUE TINHA HABILIDADE PARA SER JOGADOR DE FUTEBOL E COM QUANTOS ANOS INICIOU? 
R- Meu pai achava na infância que eu seria jogador de futebol, já aos 5 anos de idade;

05) ONDE VOCÊ INICIOU SUA CARREIRA, E POR QUANTOS ANOS JOGOU FUTEBOL? 
R- Iniciei na escolinha de futebol do Santana Clube, aos 10 anos de idade. Joguei como profissional até os 44 anos;

06) ALÉM DA TUNA, JOGOU FUTEBOL PROFISSIONAL EM OUTROS TIMES? QUAIS? R- Comecei no futebol amador em Macapá, mas foi a Tuna Luso o meu primeiro clube profissional. Joguei na LUSA de 1983 a 1988. No Clube do Remo, de 1989 a junho de 1991. No Paysandu, de julho a dezembro de 1991, e no Izabelense (série C de 1992). Em maio de 1992, retornei para Macapá, onde o futebol já era profissional, e ainda joguei pelor Ypiranga (campeão), São José (campeão), Macapá, Independente e Mazagão (vice campeão);

07) DEPOIS QUE PAROU DE JOGAR FUTEBOL PROFISSIONAL, CHEGOU Á TRABALHAR COMO TÉCNICO EM ALGUM TIME?
R- Trabalhei só em clubes de Macapá (Independente, campeão em 1995, Ypiranga, Santana e Mazagão, além da Seleção de Afuá-PA (Campeão da Copa Marajó-2011);

08) TEM MAIS ALGUÉM NA SUA FAMÍLIA QUE JOGA OU JOGOU FUTEBOL? 
R- Meu pai foi jogador amador e meu irmão, Dida, foi um dos bons goleiros de Macapá;

09) SEUS FAMILIARES APOIAVAM SUA CARREIRA NO FUTEBOL? 
R- Era o sonho do meu pai, que eu e meu irmão fossemos jogadores de futebol, o velho torcia pelo Paysandu (ele era paraense de Soure);

10) QUEM O TROUXE PARA TRABALHAR NAS CATEGORIAS DE BASE DA TUNA, E EM QUE ANO? 
R- Não trabalhei ainda nas categorias de base da Tuna;

11) QUAL FOI A SUA MAIOR ALEGRIA NA TUNA? 
R- Todos os títulos ganhos no clube, em especial o Brasileiro de 1985;

12) TEM ALGUMA MÁGOA OU DECEPÇÃO QUE QUEIRA FALAR? 
R- Do clube nenhuma mágoa, só agradecimentos, tristeza de não ter ganho o titulo de 1984, que seria o bi campeonato, num jogo demais polêmico contra o Paysandu. Naquele ano o nosso time jogava por música;

13) QUANTOS TÍTULOS VOCÊ CONQUISTOU PELA TUNA? 
R- 03 títulos no profissional, sendo os estaduais de 1983 e 1988, além do Brasileiro de 1985 (o 1º da história do Pará);

14) DÁ PARA FAZER UMA COMPARAÇÃO DO TEMPO QUE VOCÊ JOGOU FUTEBOL NA TUNA COM A ÉPOCA ATUAL? 
R- Não querendo ser saudosista, mas acho que tanto atletas como diretores, faziam a coisa com mais amor, lembro que quando cheguei no clube, a Tuna estava sem titulo já iam fazer 13 anos, o presidente na época era o Sr. Alberto Vieira, pagava o aluguel de um apartamento que eu morava, sem ter nada assinado no meu contrato, isso prova a seriedade de um dirigente. Eu procurava retribuir em campo, sempre fui tratado como um filho por todos no clube;

15) O QUE VOCÊ ESPERA DA TUNA, DEPOIS DE SER REBAIXADA PARA A SEGUNDA DIVISÃO DO PARAZÃO? 
R- Um clube da grandeza da Tuna, não pode passar por todo esse sofrimento. Agora é voltar a fazer o trabalho que sempre fez, na busca de valores e apoiar as categorias de base, dando suporte aos profissionais que trabalham nesta base;

16) VOCÊ CHEGOU A PENSAR OU GOSTARIA DE TRABALHAR ALGUM DIA NAS CATEGORIAS DE BASE DA TUNA? 
R- Desde que parei de jogar, a minha meta é essa, fiz alguns cursos de treinador, no eixo Rio e São Paulo, também sou filiado ao Sindicato de Treinadores do Pará, busco conhecimento pra quando for chamado estar apto a mostrar o meu trabalho. Só DEUS sabe o quanto espero por este momento, num passado não muito distante mandei currículos para alguns clubes e espero ter essa oportunidade de trabalhar em um clube com estrutura;

17) TEM ALGUMA SUGESTÃO QUE GOSTARIA DE DAR PARA MELHORAR A ESTRUTURA DA BASE DA TUNA? 
R- Um apoio melhor aos profissionais que trabalham com a escolinha em todas as categorias e a capacitação destes profissionais;

18) TEM ALGUÉM QUE VOCÊ GOSTARIA DE LEMBRAR E/OU AGRADECER POR SUA PASSAGEM PELA TUNA? 
R- A todos os presidentes, diretores, treinadores, atletas, torcedores e em especial, aos saudosos; NANTES (enfermeiro), ADEMIR CRISTO PAIVA (roupeiro) e Filizolino Braulino de Sena, o  MACACO (massagista);

19) GOSTARIA DE DEIXAR ALGUMA MENSAGEM AOS TORCEDORES DA TUNA? 
R- Que continuem acreditando que a Tuna se erguerá e ainda dará muitas alegrias a eles;


20) OUTRAS PERGUNTAS E RESPOSTAS QUE QUEIRA ACRESCENTAR. 
R- Só agradecendo a oportunidade de falar um pouco do prazer que tive em atuar por este clube tão amado por mim, afinal foi lá que eu aprendi a ser um verdadeiro profissional do futebol.

Tiaguinho, em 1984.

Tiago na rouparia da Tuna Luso, em 1983.

Tiago na concentração da Tuna Luso, em 1987.

Delegação da Tuna na pousada Itanhagá, em Goiânia-GO (1987).
  
Jogadores da Tuna Luso recebendo a faixa de Campeão Paraense de 1983.

Titulo de 1983, pela Tuna Luso;

Tiago treinando na Tuna Luso, em 1983.

Foto oficial da Tuna Luso que foi Campeã Brasileira da 2ª Divisão de 1985.

Tuna Luso Campeã Paraense de 1983.

Tiago com o jogador Antenor, nos bons tempos da Tuna Luso.

Tiago (C), entre o treinador Ari Grecco (D) e o Dr. Jorge Silva (E), na Tuna Luso de 1983.

Tiago segurando o troféu de campeão pela Tuna, em 1983.

Tiago e alguns jogadores com os garotos da base da Tuna Luso, em 1983.

Tiago (C), entre os jogadores Queiroz e Batista, os baianos da Tuna de 1983.

Tiago e o massagista "Macaco", em evidência na imprensa local.

Tuna Luso em destaque na imprensa paraense.

Tuna Luso em destaque na imprensa paraense.

Tuna Luso em destaque na imprensa paraense.

2 comentários:

  1. Gostava de ver o Tiago jogar. Era um terror na zaga dos adversários. Bons tempos para a Tuna! Aquele time que foi campeão nacional em 1985 era um "timaço" . O melhor que vi jogar desde que comecei a assistir os jogos da Tuna. Fiquei contente de ver as declarações do Tiago. Achava que ele parecia mais "simpático" à sua temporada no Remo e pouco mencionava sobre seu tempo de Tuna. Estava já me perguntando se havia algum tipo de ingratidão. Mas lendo a entrevista, considero que há um tratamento elogioso dele em relação à Tuna. Que pena que no século XXI não tenha visto ainda um time totalmente digno da tradição grandiosa da Tuna. Os que mais se aproximaram, a meu ver, foi aquele time campeão em 1992 da série C, com Ageu e Dema. Houve alguns times bons de 1993 para cá. Porém, para mim os melhores que eu vi foram aqueles dos anos 80 e início dos anos 90. Confesso que tenho alguma saudade. Era um tempo glorioso. Bons tempos para o futebol da Tuna.
    Márcio

    ResponderExcluir
  2. Eu tinha uma camisa destas que o Tiago estava usando, foi há muito tempo. Não tenho mais. Poderiam mandar fazer e vender algumas para os saudosistas. Era a camisa de um tempo glorioso da Tuna.

    ResponderExcluir