BLOG TUNANTE

terça-feira, 30 de dezembro de 2014

Atleta da Tuna disputará a Corrida de São Silvestre em SP

Seu Vitor, de 74 anos, disputará pela quinta vez a prova na capital paulista

Por: Fábio Will (ORM News)
Foto: Divulgação Tuna Luso BrasileiraFoto: Divulgação Tuna Luso Brasileira
O atletismo paraense terá representante em uma das mais tradicionais provas de rua do mundo. A Corrida de São Silvestre, prova que fecha o calendário mundial, sempre no 31 de dezembro. Um atleta e torcedor da Tuna Luso Brasileira de 74 anos correrá a prova pela quinta vez na carreira.

Vitor Souza Costa será o representante paraense na prova. Segundo informações da assessoria da Lusa, ele é corredor profissional desde 1970, quando atuava no Exército. Seu Vitor, como é conhecido,  viajou ontem para São Paulo, onde disputará a prova com a camisa da Águia Guerreira, que possui em sua longa carreira 653 medalhas em provas de ruas pelo Brasil.

Antes da viagem, a diretoria da Tuna homenageou o atleta na Sede Campestre da Águia, no bairro do Souza, em Belém. Seu Vitor disputará a competição na categoria de 70 a 100 anos, tendo um percurso de 15 km.
Fonte: ORM

terça-feira, 23 de dezembro de 2014

Balanço do ano na Sede Náutica

O balanço de nosso trabalho este ano na Garagem Náutica é positivo. Positivo porque na situação em que pegamos essa centenária parte esportiva do Clube, onde na realidade onde a Tuna começou, estava praticamente abandonada, tanto na questão estrutural, como na parte de atleta, uma vez que quase todos, sem a estrutura, foram instados a se transferir para os nossos dois principais concorrentes.
Felizmente, contamos com o apoio de três companheiros que muitos nos ajudara: Gerardo Monteiro (Von), Mário Mangas e Jorge Luis, além de toda a Confraria da Sauna, que nos deu suporte financeiros, outros torcedores e associados que também passaram a colaborar com nosso trabalho, e da própria Diretoria do Clube, que sempre foi sensível e nos atendeu toda vez que nos dirigimos à ela, principalmente o Diretor de Patrimônio Augusto Monteiro, que foi um dos nossos maiores colaboradores.
Quando chegamos, em Fevereiro, a equipe, muito pequena, já estava montada. Pouco podemos fazer em termos de novos atletas, mesmo que tenhamos nos esforçado muito para fazer isso. Mesmo assim, decidimos que participaríamos do Campeonato de Remo promovido pela Fepar, embora preocupados com os custos.
Para que o leitor tenha uma ideia, só para participar a inscrição custa em torno de três mil reais. Cada transferência de atleta custa 150 reais. A inscrição de cada prova (ou barco) nas regatas, custa 50.
Fora isso tem a manutenção da Garagem, como o óleo para o barco da equipe técnica, café da manhã para os atletas, ajuda de custo para um ou outro atleta, passagens para atletas de fora. É uma média mensal de no mínimo dois mil reais.
Graças à criação de um carnê com o nome dos colaboradores, conseguimos uma arrecadação mensal, que não é grande, mas foi primordial para a manutenção de todos estes custos. Hoje temos em mãos documento dado pela Fepar de que a Tuna não deve nada à Federação de Remo. Uma vitória nossa,  de todos os colaborados
Uma feijoada que fizemos em Maio, que deu lucro de mais de sete mil reais, foi o que impulsionou e nos incentivou a seguir em frente, pois sabíamos da situação da diretoria do Clube, que não poderia ajudar com muita coisa.
O fato é que que conseguimos terminar o ano com um salde positivo de trabalho dos mais interessantes.
Além de participar de todas as quatro regatas,  inclusive com algumas vitórias, conseguimos melhorar a estrutura física da garagem, fazendo algumas melhorias e colocando à disposição do técnico e de atletas  melhorias significativas. Vale dizer, que estava carente de tudo.
Hoje, na nossa Sede Náutica temos uma excelente televisão com, uma máquina de lavar o chão, liquidificador, tudo doado pelos abnegados.
Foram colocados dois portões de metalon, em substituição às velhas portas que já não funcionavam mais. Na frente, colocamos um portão perto da porta, para proteger a entrada de pessoas indesejáveis.
Adquirimos um barco do Sr. Morgado. Pintamos toda a frente da Sede. Vale salientar, que foi um trabalho muito profissional e coma tinta de nossa cor original.
Conseguimos finalizar o trabalho de recuperação de dois banheiros, só estando faltando o acabamento, por falta de um profissional que ainda não encontramos. Mas o material, tipo lajotas, argamassa, já está todo no local da obra.
Pois é, caros amigos cruzmaltinos. Nesse momento só temos é que agradecer e dizer que no próximo ano estamos contando com o mesmo apoio, Já a partir de 1o. de Janeiro, estaremos sorteando um aparelho de televisão de 32 polegadas, com cartelas (apenas 100, de 001 a 100) a 25 reais cada cartela. Vamos sortear em final de Fevereiro, quando então já começaremos a trabalhar a feijoada, que pode ter duas no ano, a primeira no mês de Maio. Essa é a única fórmula que temos de lutar para conseguir recursos. 
Aproveitamos o momento para desejar a todos os nossos colaboradores e amigos,boas festas. E que o Ano Novo seja repleto de alegria, sucesso e sempre torcendo e apoiando a  nossa Tuna Luso Brasileira.
Fonte: Didascália

domingo, 21 de dezembro de 2014

Confraternização dos funcionários da Tuna Luso

 Fotos: Marcos Paulo (Comercial Tuna)

Aconteceu no dia 19/12, no espaço "Castelinho/', da Tuna Luso, a confraternização de final de ano dos funcionários do clube. Diretores e colaboradores estiveram presentes para compartilhar um excelente almoço com os funcionários, seus familiares e amigos. Tivemos homenagens, entregas de Cestas Básicas e muitos brindes sorteados. A Diretoria da Tuna agradece e parabeniza todos os funcionários pela dedicação e empenho ao longo de 2014, desejando que o ano de 2015 seja repleto de realizações, alegrias, felicidades e paz de espírito. Agradecimentos especiais aos colaboradores que sempre se fazem presente nas ações do clube. 
Boas Festas e que 2015 seja repleto de conquistas, alegrias e saúde para todos!

Um pouco da história da Tuna Luso Brasileira - Tiaguinho

Germano Tiago Dos Santos Soares, caboclo bom de bola, nascido em Mazagão-AP. Filho de pai paraense (jogador amador) e mãe amapaense, Tiaguinho, como era mais conhecido, começou a jogar futebol bem novo, com cinco anos, sempre com incentivo de seu pai. Aos 24 anos, através de um torcedor chamado Nelson Pereira (hoje morando em Marapanim), foi levado para Belém para jogar no time de profissionais da Tuna Luso Brasileira, em 1983, onde veio a se transformar em um dos melhores ponta direita que o futebol paraense já viu jogar, quando essa posição ainda era bastante usada no futebol mundial. 
Tiaguinho jogou na Tuna Luso de 1983 a 1988. Em 1989, foi transferido para o Clube do Remo, onde ficou até 1991. Posteriormente, em 1991, foi contratado pelo Paysandu, e em 1992 defendeu atuou pelo Izabelense-PA. 
No final de 1992, Tiaguinho retornou para Macapá, onde ainda jogou por alguns anos defendendo vários clubes locais, conquistando títulos e finalmente encerrando sua carreira como jogador profissional de futebol.
Quem o viu jogar lembra de suas jogadas desconcertantes e bonitas. Quem não viu, pelo menos terá, a partir dessa matéria, a rara oportunidade de saber quem foi Tiaguinho, um dos melhores ponta direita que o futebol do Pará já viu.
Tiago diz que foi muito bem tratado no período em que jogou na Tuna, e que tem saudades daquele tempo de conquistas inesquecíveis. Perguntado sobre alguma frustração daquele tempo, Tiago diz: "Só tenho agradecimentos a fazer, tristeza mesmo foi de não ter ganho o titulo de 1984, que seria o bi campeonato, num jogo demais polêmico contra o Paysandu. Naquele ano o nosso time jogava por música", afirma Tiago. 
A maioria dos jogadores que foram formados ou descobertos na Tuna para o futebol paraense e brasileiro, geralmente são torcedores de coração da Lusa paraense e passaram a sentir pelo time e clube uma forte ligação de amor e carinho.
Tiaguinho com a camisa da querida Tuna Luso, em 1984.

Bate bola de perguntas e respostas com Tiaguinho:

01) NOME DO PAI E DA MÃE, SEU NOME COMPLETO, ANO E LOCAL DE NASCIMENTO:
R- Nomes dos meus pais: Germano Soares e Terezinha dos Santos Soares. 
Meu nome: Germano Tiago - nascido em 22.05.1956, Mazagão-AP;

02) SE CASADO E COM FILHOS, QUAIS OS NOMES DELES? 
R- Divorciado do 1º casamento, 06 filhos (Cremilson, Cristiane, Crenilson, Katirene, Kátila e Germano Jr;

03) QUAL SUA ATUAL PROFISSÃO? 
R- Treinador de Futebol;

04) QUANDO DESCOBRIU QUE TINHA HABILIDADE PARA SER JOGADOR DE FUTEBOL E COM QUANTOS ANOS INICIOU? 
R- Meu pai achava na infância que eu seria jogador de futebol, já aos 5 anos de idade;

05) ONDE VOCÊ INICIOU SUA CARREIRA, E POR QUANTOS ANOS JOGOU FUTEBOL? 
R- Iniciei na escolinha de futebol do Santana Clube, aos 10 anos de idade. Joguei como profissional até os 44 anos;

06) ALÉM DA TUNA, JOGOU FUTEBOL PROFISSIONAL EM OUTROS TIMES? QUAIS? R- Comecei no futebol amador em Macapá, mas foi a Tuna Luso o meu primeiro clube profissional. Joguei na LUSA de 1983 a 1988. No Clube do Remo, de 1989 a junho de 1991. No Paysandu, de julho a dezembro de 1991, e no Izabelense (série C de 1992). Em maio de 1992, retornei para Macapá, onde o futebol já era profissional, e ainda joguei pelor Ypiranga (campeão), São José (campeão), Macapá, Independente e Mazagão (vice campeão);

07) DEPOIS QUE PAROU DE JOGAR FUTEBOL PROFISSIONAL, CHEGOU Á TRABALHAR COMO TÉCNICO EM ALGUM TIME?
R- Trabalhei só em clubes de Macapá (Independente, campeão em 1995, Ypiranga, Santana e Mazagão, além da Seleção de Afuá-PA (Campeão da Copa Marajó-2011);

08) TEM MAIS ALGUÉM NA SUA FAMÍLIA QUE JOGA OU JOGOU FUTEBOL? 
R- Meu pai foi jogador amador e meu irmão, Dida, foi um dos bons goleiros de Macapá;

09) SEUS FAMILIARES APOIAVAM SUA CARREIRA NO FUTEBOL? 
R- Era o sonho do meu pai, que eu e meu irmão fossemos jogadores de futebol, o velho torcia pelo Paysandu (ele era paraense de Soure);

10) QUEM O TROUXE PARA TRABALHAR NAS CATEGORIAS DE BASE DA TUNA, E EM QUE ANO? 
R- Não trabalhei ainda nas categorias de base da Tuna;

11) QUAL FOI A SUA MAIOR ALEGRIA NA TUNA? 
R- Todos os títulos ganhos no clube, em especial o Brasileiro de 1985;

12) TEM ALGUMA MÁGOA OU DECEPÇÃO QUE QUEIRA FALAR? 
R- Do clube nenhuma mágoa, só agradecimentos, tristeza de não ter ganho o titulo de 1984, que seria o bi campeonato, num jogo demais polêmico contra o Paysandu. Naquele ano o nosso time jogava por música;

13) QUANTOS TÍTULOS VOCÊ CONQUISTOU PELA TUNA? 
R- 03 títulos no profissional, sendo os estaduais de 1983 e 1988, além do Brasileiro de 1985 (o 1º da história do Pará);

14) DÁ PARA FAZER UMA COMPARAÇÃO DO TEMPO QUE VOCÊ JOGOU FUTEBOL NA TUNA COM A ÉPOCA ATUAL? 
R- Não querendo ser saudosista, mas acho que tanto atletas como diretores, faziam a coisa com mais amor, lembro que quando cheguei no clube, a Tuna estava sem titulo já iam fazer 13 anos, o presidente na época era o Sr. Alberto Vieira, pagava o aluguel de um apartamento que eu morava, sem ter nada assinado no meu contrato, isso prova a seriedade de um dirigente. Eu procurava retribuir em campo, sempre fui tratado como um filho por todos no clube;

15) O QUE VOCÊ ESPERA DA TUNA, DEPOIS DE SER REBAIXADA PARA A SEGUNDA DIVISÃO DO PARAZÃO? 
R- Um clube da grandeza da Tuna, não pode passar por todo esse sofrimento. Agora é voltar a fazer o trabalho que sempre fez, na busca de valores e apoiar as categorias de base, dando suporte aos profissionais que trabalham nesta base;

16) VOCÊ CHEGOU A PENSAR OU GOSTARIA DE TRABALHAR ALGUM DIA NAS CATEGORIAS DE BASE DA TUNA? 
R- Desde que parei de jogar, a minha meta é essa, fiz alguns cursos de treinador, no eixo Rio e São Paulo, também sou filiado ao Sindicato de Treinadores do Pará, busco conhecimento pra quando for chamado estar apto a mostrar o meu trabalho. Só DEUS sabe o quanto espero por este momento, num passado não muito distante mandei currículos para alguns clubes e espero ter essa oportunidade de trabalhar em um clube com estrutura;

17) TEM ALGUMA SUGESTÃO QUE GOSTARIA DE DAR PARA MELHORAR A ESTRUTURA DA BASE DA TUNA? 
R- Um apoio melhor aos profissionais que trabalham com a escolinha em todas as categorias e a capacitação destes profissionais;

18) TEM ALGUÉM QUE VOCÊ GOSTARIA DE LEMBRAR E/OU AGRADECER POR SUA PASSAGEM PELA TUNA? 
R- A todos os presidentes, diretores, treinadores, atletas, torcedores e em especial, aos saudosos; NANTES (enfermeiro), ADEMIR CRISTO PAIVA (roupeiro) e Filizolino Braulino de Sena, o  MACACO (massagista);

19) GOSTARIA DE DEIXAR ALGUMA MENSAGEM AOS TORCEDORES DA TUNA? 
R- Que continuem acreditando que a Tuna se erguerá e ainda dará muitas alegrias a eles;


20) OUTRAS PERGUNTAS E RESPOSTAS QUE QUEIRA ACRESCENTAR. 
R- Só agradecendo a oportunidade de falar um pouco do prazer que tive em atuar por este clube tão amado por mim, afinal foi lá que eu aprendi a ser um verdadeiro profissional do futebol.

Tiaguinho, em 1984.

Tiago na rouparia da Tuna Luso, em 1983.

Tiago na concentração da Tuna Luso, em 1987.

Delegação da Tuna na pousada Itanhagá, em Goiânia-GO (1987).
  
Jogadores da Tuna Luso recebendo a faixa de Campeão Paraense de 1983.

Titulo de 1983, pela Tuna Luso;

Tiago treinando na Tuna Luso, em 1983.

Foto oficial da Tuna Luso que foi Campeã Brasileira da 2ª Divisão de 1985.

Tuna Luso Campeã Paraense de 1983.

Tiago com o jogador Antenor, nos bons tempos da Tuna Luso.

Tiago (C), entre o treinador Ari Grecco (D) e o Dr. Jorge Silva (E), na Tuna Luso de 1983.

Tiago segurando o troféu de campeão pela Tuna, em 1983.

Tiago e alguns jogadores com os garotos da base da Tuna Luso, em 1983.

Tiago (C), entre os jogadores Queiroz e Batista, os baianos da Tuna de 1983.

Tiago e o massagista "Macaco", em evidência na imprensa local.

Tuna Luso em destaque na imprensa paraense.

Tuna Luso em destaque na imprensa paraense.

Tuna Luso em destaque na imprensa paraense.

quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

Acabamento dos banheiros inicia segunda -feira

Diretor de Patrimônio da Tuna Luso, Sr. Augusto Monteiro, na 3º feira à noite (02), doou o restante do material para conclusão dos dois banheiros da Garagem Náutica.


Foto; Gerardo Von


Augusto Monteiro, do próprio bolso, doou todo o revestimento para as paredes dos dois banheiros e ainda, através da Tuna, conseguiu 25 metros de PVC para cobertura dos dois ambientes. 
Uma vitória da batalha que foi fazer praticamente dois banheiros novos com o pouco dinheiro que arrecadamos com os carnets, portanto com orçamento baixo. 
Mas tudo está dando certo, graças à confiança dos que colaboram mensalmente com o carnet e dos abnegados que na parte final, a do acabamento, nos ajudaram, como o GB Alírio Gonçalves, o Benemérito Pedro Azevedo e o diretor de Patrimônio Augusto Monteiro .
Agora é correr atrás da grana para o que falta, que é comprar parte da argamassa e pagamento da mão de obra, que é tipo mil reais. O pedreiro que contatamos disse que vai ter que trabalhar com um ajudante, pois terá que quebrar o azulejo velho que está bastante estragado. Ele deu uma outra opção, que seria colocar tanto a lajota como o revestimento por cima do que está fixado, mas deu logo a dica: a argamassa tem que ser especial, e é muito mais cara. 
O certo é que para a conclusão da obra falta pouco, muito pouco, pois vamos iniciar o acabamento já na segunda-feira. 
Penso que, graças ao apoio e colaboração de todos, antes do final do ano teremos os dois banheiros concluídos.
É muita vitória, gente. Vitória dos cruzmaltinos!

Garantida lajota para banheiros da Garagem Náutica

O Benemérito Pedro Antonio Azevedo, ex-presidente da Tuna Luso Brasileira e 
cruzmaltino dos mais autênticos, se prontificou a doar toda a lajota para o piso dos banheiros da Garagem Náutica. Essa doação será importante para darmos mais um passo na conclusão dos dois banheiros da Garagem.
Agora só falta corrermos atrás do pagamento da mão de obra (valor R$1.000,00). Esta semana mesmo estaremos levando o material doado para iniciarmos o acabamento dos banheiros.
Ao Benemérito Pedro Azevedo, nossos sinceros agradecimentos.
Fonte: Blog Didascália