BLOG TUNANTE

segunda-feira, 15 de setembro de 2014

Remo vence a 3ª regata e encosta no Papão

O campeão voltou! O grito de guerra embalou as comemorações da torcida azulina na manhã de ontem, no Ver-o-Rio, após a conclusão da prova 8 Gigantes Máster C - 1.500 m, vencida pelos atletas remistas. A disputa foi apertada, um bico de barco definiu a vitória do Remo sobre o Paysandu. Resultado: a equipe azulina arrancou um empate com o Papão, com cinco páreos ganhos para cada lado, e foi considerada campeã da terceira regata, graças ao maior número de segundos lugares obtidos ao longo da competição - foram cinco no total, contra dois dos bicolores. Apesar do resultado, a liderança do Campeonato Paraense de Remo continua nas mãos do Paysandu, agora com 17 primeiros lugares. O Remo tem 13 e a Tuna, três. A decisão do título será dia 30 de novembro, na quarta e última regata do calendário. 
A regata de ontem, na orla do Ver-o-Rio, contou com a presença do presidente da Confederação Brasileira de Remo (CBR), o catarinense Edson Altino Pereira Júnior, que atuou com árbitro geral. “Estou surpreso com o número de pessoas aqui. Não pensei que o remo fosse tão popular em Belém, mas foi uma grata surpresa. O esporte náutico paraense está de parabéns”, avaliou.
Mas nem tudo foi calmo. No sexto páreo Single Skiff masculino sênior, a Tuna, por meio do diretor Marcos Moraes, questionou a vitória azulina. Para ele, o barco tunante cruzou na frente. No “olhometro” da Fepar, o barco azulino foi o primeiro. “Faça seu protesto por escrito”, disse o juiz ao diretor tunante.
A festa azulina ficou completa por conta da conquista do troféu Carlor Alberto da Silveira (Azulino), ex-diretor náutico do Leão Azul, homenageado pela Fepar. Em vinte anos no comando da garagem náutica, Carlos Alberto faturou nove títulos estaduais.
Na hora da comemoração, os reforços argentinos que chegaram ao Paysandu não foram esquecidos. “Ganhamos da Argentina, agora pode vir Alemanha, Holanda que a gente fatura”, brincou Hermes Tupinambá, diretor do Remo.
Para Jacaré, a vitória no 8 Gigantes azulino foi uma resposta aos rivais, que já comemoravam o título. “Quem morre de véspera é peru. Aqui somos Leão, Leão Azul. Estávamos engasgados com eles (Paysandu), mas mostramos a nossa força, a nossa qualidade ali, nos mil metros”.

Fonte: Amazônia Jornal

Nenhum comentário:

Postar um comentário