BLOG TUNANTE

quinta-feira, 3 de julho de 2014

A história do futebol brasileiro começou em Bangu


Aos domingos, muitos torcedores vão aos bares do Shopping Bangu assistir aos jogos de seus clubes. O que quase ninguém sabe, é que ali mesmo, em um domingo de setembro de 1894, teria sido disputada a primeira partida de futebol do Brasil. Pelo menos é o que diz um grupo de pesquisadores que creditam ao escocês Thomas Donohoe o pioneirismo do esporte no país. Eles garantem: o futebol brasileiro nasceu em Bangu. Assim, o paulista Charles Miller não seria primeiro a trazer o esporte bretão para o Brasil.


Às vésperas da Copa do Mundo, os pesquisadores vão fazer uma homenagem ao pioneirismo de Bangu. Uma estátua do escocês será inaugurada no estacionamento do shopping, no local onde seria o campo de futebol que Thomas Donohoe e seus companheiros jogavam futebol. A inauguração será no dia 5 de junho, às 9h30. Também haverá uma exposição contando a história de Seu Danau, como era conhecido.
O escultor Clécio Regis e a estátua do pioneiro escocês Donohoe, que será instalada no Shopping Bangu
Foto:  Estefan Radovicz / Agência O Dia (Reprodução)
Thomas Donohoe era tintureiro na cidade de Busby, na Escócia, onde nasceu. Com a falta de emprego na região, ele embarcou em uma aventura e veio trabalhar na Fábrica de Tecidos Bangu, em um cargo de chefia. Chegou em 21 de maio de 1894, ao desembarcar do navio S. S. Clyde. Donohoe era casado e precisou deixar sua esposa Elizabeth e seus filhos Patrick, de 3 anos, e John, de seis meses, em Busby.

Esta bola, ao que tudo indica, foi a primeira a existir no Rio de Janeiro. A partir daí, Thomas pode organizar os primeiros jogos entre os compatriotas da fábrica nos grandes espaços vazios que existiam no bairro de Bangu.
 

O time do Bangu em 14 de maio de 1905, antes da partida contra o Fluminense no campo da Fábrica. Da esquerda para a direita, última fila: José Villas Boas (presidente interino), Frederich Jacques e João Ferrer (presidente honorário); fila do meio: César Bochialini, Francisco de Barros, John Stark, Dante Delocco e Justino Fortes; fila da frente: Segundo Maffeu, Thomas Hellowell, Francisco Carregal, William Procter e James Hartley.

Jogadores do Bangu, campeões da Taça Francis Walter. No alto: Luiz Antonio da Guia, Alberto Vidal e Othelo Medeiros. Fila do meio: James Stirling, Roldão Maia e Patrick Donohoe. Fila de baixo: Augusto Alves, Archibald French, Avelino de Souza, Carlos Rocha e Estácio Alves.

Ele jogava futebol e se surpreendeu. O bairro de Bangu era composto apenas pela Fábrica e uma única rua. Não existia futebol no novo país. Ele então escreveu para a esposa, Elizabeth, e pediu para que ela viesse ao Brasil com os filhos. Porém, alguns itens muito importantes deveriam vir na mala com ela: sua bola e chuteiras. Elizabeth desembarcou no Rio em 5 de setembro de 1984 com a encomenda.

Pelada inaugural foi em campinho onde hoje fica estacionamento
Para a partida, que teria sido a primeira do Brasil, Donohoe convocou funcionários da fábrica de tecidos — todos de origem inglesa e que já conheciam futebol. Segundo os pesquisadores, foi uma pelada jogada com dois times de seis jogadores. O local era um espaço dentro da própria fábrica, onde hoje é o estacionamento do Shopping Bangu.
Só em 1901 a fábrica cedeu um espaço para os ingleses jogarem, que funcionou até 1906. Nesse meio tempo, o Atlético Clube Bangu foi inaugurado, em 1904. Donohoe foi eleito vice-presidente da primeira administração. Em 9 de setembro de 1894, Seu Danau fixou quatro hastes de madeira em um terreno baldio.
O pesquisador Carlos Molinari, que estuda o passado de Bangu há 15 anos, contou que a história de Donohoe sempre foi conhecida pelos moradores. Porém, o problema é que as informações eram apenas de boca. Em 2010, ele conseguiu encontrar documentos oficiais com a ajuda de historiadores escoceses.
“O que está acontecendo é um processo de revisionismo histórico. A primeira partida aconteceu assim que a esposa de Donohoe chegou ao Brasil em 1894, antes da partida organizada por Charles Miller, que foi em 14 de abril de 1895”. A ideia de homenagear Donohoe foi de Benevenuto Rovere Neto, presidente do Grêmio Literário José Mauro de Vasconcelos. Há alguns anos, ao assistir , viu os competidores passando em frente à Praça Charles Miller: “O pioneiro foi Thomas Donohoe, está na hora de fazermos alguma coisa”. Foi então que ligou para o amigo artista plástico Clécio Régis. Juntos, resolveram criar a estátua.
Donohoe: o novo "pai" do futebol brasileiro?
Já foram levantadas diversas hipóteses (todas questionadas por vários pesquisadores) sobre as verdadeiras origens do futebol no Brasil. A mais aceita e que se tornou “oficial” é a de Charles Miller, um jovem nascido em São Paulo em 1874, filho de ingleses. Agora, outra pesquisa minuciosa feita por um grupo de estudiosos da história do Bangu, no Rio de Janeiro, traz novamente à tona a polêmica. Desta vez, a hipótese levantada e apurada com rigor é a de que Thomas Donohoe, um escocês tenha sido o verdadeiro “pai” do futebol brasileiro.
Leia mais: http://banguonline.com.br/destaques/esporte/item/419-o-verdadeiro-berco-do-futebol-no-brasil
Colaboração: Ramilton  rareali@globo.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário