BLOG TUNANTE

sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

[ COMO UM VELHO CORVO-COMUM ]

Teço poesias
[com fios do rebuço de olhares em tramas]
como

uma
arma[ção] entrincheirada superlotada de veleidades desmesuradas
que
a[r]ma
e

glorifica, em berro espiralado,

o pool
astronômico dos
sacrifícios sós: lá,
onde

as marginalidades insossas
não se aquietam
sobre

as f[l]endas que
esplendem, salgam
e
postergam
o condomínio filetado das
valas-comuns
do medo;

lá, onde,

as poesias verdes fritas
estão no frêmito das escamas
sensuais,

onde

os corvos, do contra, corvejam, crocitam,
e gozam,

portanto, sempre mais do
que

eu.
Foto: [ COMO UM VELHO CORVO-COMUM ]


Teço poesias
[com fios do rebuço 
de olhares 
em tramas]
como 

uma
arma[ção] entrincheirada superlotada de veleidades desmesuradas
que
a[r]ma
e

glorifica, em berro espiralado,

o pool
astronômico dos
sacrifícios sós: lá, 
onde 

as marginalidades insossas 
não se aquietam 
sobre 

as f[l]endas que
esplendem, salgam 
e
postergam
o condomínio filetado das
valas-comuns 
do medo;

lá, onde,

as poesias verdes fritas 
estão no frêmito das escamas
sensuais,

onde 

os corvos, do contra, corvejam, crocitam,
e gozam, 

portanto, sempre mais do 
que 

eu.


Imagem by NãoSouEuéaOutra
Imagem by NãoSouEuéaOutra

Fonte: Benny Franklin - https://www.facebook.com/BennycFranklin?fref=ts

Nenhum comentário:

Postar um comentário