sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

RETROSPECTIVA TUNA 2010


FELIZ 2011 PARA TODOS!!!

ENTREVISTA COM FLÁVIO GOIANO

Acompanhe abaixo a entrevista concedida por Flávio Goiano, com exclusividade para o blog da ATAT, a qual publicamos na íntegra, para que todos tenham conhecimento da dedicação e carinho que Flávio expressa pela Tuna Luso Brasileira.
Como se segue:















01) QUAL O SEU NOME COMPLETO?
resp. Flavio Ataide Lopes Cavalcante

02) É CASADO E TEM FILHOS? QUAIS OS NOMES DELES?
resp.Sim,  tenho uma filha, Victorya

03) QUANDO DESCOBRIU QUE TINHA HABILIDADE E PODERIA SER JOGADOR DE FUTEBOL?
resp. Aos 12 anos

04) ONDE VC INICIOU E QUANTOS ANOS JOGOU FUTEBOL?
resp. Aos 12 anos e joguei até os 29 anos

05) QUAIS OS TIMES EM QUE JOGOU FUTEBOL PROFISSIONAL?
resp. Uberlandia MG, Botafogo SP, Santo Andre SP, Joenvile SC, Paysandu PA, Sao jose SP,
Portuguesa SP, Tuna Luso PA, Clube do remo PA, Noroeste SP, Londrina PR, XV de piracicaba SP,
America RN, Rio branco MG, Ananideua PA.

06) TEM MAIS ALGUÉM DA SUA FAMÍLIA QUE JOGA OU JOGOU FUTEBOL?
resp. Sim , meu pai, Clemilton ataide cavalcante, conhecido como Goiano, ponta esquerda que jogou no Fluninense RJ, Flamengo RJ, Vacco RJ, America MG, Guarani SP, Palmeiras SP, e (03) convocações para seleção Brasileira, jogando as três partidas na seleção principal

07) UMA VEZ VC FALOU QUE RESPIRA FUTEBOL 24h POR DIA. SEUS FAMILIARES APÓIAM SUA ATUAL CARREIRA?
resp. Sim, mas as vezes eles sentem muita falta e minha presença em casa, mas é o ganha pão de cada dia

08) COMO VC BEM SABE, TRABALHAR NO FUTEBOL DA TUNA SEMPRE É MAIS DIFÍCIL. O QUE LEVOU VC A ESCOLHER A TUNA PARA COLABORAR NO FUTEBOL EM 2010/2011?
resp. Pela sua grandesa, e tradição

09) QUEM LEVOU VC PARA A TUNA QUANDO JOGAVA FUTEBOL?
resp, Foi Sr.Alencar, do Llapinha, Sr. Alirio

10) E AGORA, COMO FOI A NEGOCIAÇÃO PARA COLABORAR NO FUTEBOL?
resp. Recebi um convite do Sr, Charles Tuma e aceitei de imediato

11) VC CONHECE O ISMAR?
resp. Tanto conheço como é meu irmão, por concideração

12) QUAL FOI A SUA MAIOR ALEGRIA NA TUNA?
resp. De estar trabalhando e contibuinda para a volta dela às suas tradições

13) TEM ALGUMA MÁGUA DA TUNA?
resp. Sim, de ser tachado como empresário por algumas pessoas de lá

14) VC JÁ VIU O JOGADOR ÊRE ATUANDO E O QUE ACHA DE SEU FUTEBOL?
resp. Sim, e fui eu o responsavel pela ida dele para o Fluminense, acho que ele é um grade jogador

PODE FALAR ALGUMA COISA SOBRE ELE?
resp. Acho que ele está no caminho certo e tem um grande futuro pela frente

15) VC AJUDOU NA CONQUISTA DA 1ª FASE PELA TUNA. EM ALGUM MOMENTO VC PENSOU EM ABANDONAR O BARCO?
resp. Sim, quando não tiveram respeito comigo, como disse antes, me tachando como empresário, partindo de algumas pessoas

16) O QUE VC ESPERA DO ATUAL TIME DA TUNA NA FASE PRINCIPAL?
resp. Espero vitórias

17) TEM MAIS CONTRATAÇÕES PELA FRENTE? (NÃO PRECISA CITAR NOMES!)
resp. Sim

18) VC JÁ RENOVOU CONTRATO PARA MERMANECER COMO TÉCNICO DA TUNA?
resp. Sim

19) TEM ALGUMA SUGESTÃO QUE GOSTARIA DE DAR PARA A DIRETORIA DA TUNA?
resp. Claro, todas estão por escrito com a diretoria

20) JÁ TRABALHOU EM OUTROS TIMES COMO TREINADOR? QUAIS?
resp. Sim, no Goiatuba GO, Castanhal PA

21) TEM MAIS ALGUÉM QUE VC GOSTARIA DE AGRADECER?
resp. Sim, a todos que tem carinho comigo e me respeitam como profissional e como pessoa

22) GOSTARIA DE DEIXAR ALGUMA MENSAGEM AOS TORCEDORES DA TUNA?
resp. Eu acho que é um grande momento de transformar e estrurar a Tuna, e isso so acontecerá se o maior bem que a Tuna tem, que é sua torcida,  acreditar na própria Tuna e neste projeto, e agradecer o carinho, como o torcedar tratar esse projeto. O meu muito obrigado e espero poder trabalhar muito por esse clube maravilhoso que é a nossa TUNA LUSA BRASILEIRA!

RETROSPECTIVA DA NATAÇÃO DA TUNA EM 2010


A retrospectiva 2010 é uma criação do departamento de natação da Tuna Luso Brasileira em homenagem aos seus dirigentes, técnicos, atletas e colaboradores.
Um Feliz Ano Novo para todos!

O link é:
http://www.youtube.com/watch?v=QxKYNapth9w

quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Tuna acerta os últimos retoques para Parazão 2011

A Tuna Luso Brasileira está com o elenco praticamente formado para a fase principal do Parazão. A diretoria contratou sete jogadores. Muitas renovações, saídas e contratações foram definidas nesta quinta-feira (30).

O goleiro Adriano, rejeitado pelos grandes da capital, está na mira da diretoria cruzmaltina, para repor a saída de André Luiz, que foi para o Cametá, junto com o atacante Jaílson. Leandro Cearense, que chegou a ser divulgado pela imprensa como novo reforço, ainda não tem sua situação acertada com os lusos. “Ainda não foi assinado o contrato dele (Leandro). As negociações estão bem encaminhadas, assim como a do Adriano. Fora eles e talvez mais um ou outro nome, nosso plantel está fechado”, afirma o técnico luso, Flávio Goiano.

Flávio participou das negociações e, feliz da vida, comemora as permanências de peças importantes e as novas aquisições. “Ficamos com cinco jogadores entre os melhores do campeonato e ganhamos a primeira fase. Isso anima o jogador a vir trabalhar conosco. Sinal de que o trabalho foi bem feito”, analisa.

A reportagem do DIÁRIO falou com o técnico minutos antes dele acertar, junto com a diretoria, quem iria ser contratado e os que permaneceriam. Os sete jogadores contratados são: Rairo (Ananindeua) - volante/lateral-esquerdo; Leandro (Ananindeua) - volante; Meias - Robinho (Abaeté), Marabá (Santa Rosa), Everton (Guarany-SP), Nildo jr (Ananindeua) e atacante Izaias (Sport Belém). Eles irão se juntar ao lateral–esquerdo Carlinhos Marahú, ao volante Dudu e ao atacante Kanu, contratados durante a semana.

Mas a Tuna também perdeu vários jogadores importantes, como Charles, Analdo, Fininho, Euller, Cleidir, já anunciados e mais o André Luiz e o Jaílson, que vão para o Cametá. Segundo Flávio Goiano, quase todos os jogadores restantes tiveram seus contratos renovados. Esforço e trabalho, aliado ao planejamento com atecedência, os dirigentes tunantes estão demonstrando. Mas a pergunta que fica na cabeça do torcedor é: Será que vai dar caldo no Parazão?
fonte: Diário do Pará

Tuna enfrenta a Pantera no dia 16

São Raimundo será o primeiro adversário da lusa na temporada

A temporada 2011 deve começar oficialmente para a Tuna no dia 16 de janeiro com um amistoso, em Santarém, diante do São Raimundo. Foi o que revelou, ontem, por telefone, o técnico da Lusa, Flávio Goiano. De acordo com o treinador, as negociações entre os clubes estão em andamento, com boas possibilidades de o jogo ser confirmado no começo deste ano. Além do possível confronto com o Pantera, Goiano espera realizar pelo menos mais dois jogos-treinos em Belém. As partidas, segundo o treinador, servirão para ajustar a equipe alviverde com vistas a estreia na fase principal do Paraense.

Em relação à montagem definitiva do elenco da Lusa, Goiano contou que a prioridade agora é renovar o contrato de alguns jogadores remanescentes da primeira fase do campeonato.

"A diretoria tenta acertar com esses atletas que tiveram seus compromissos encerrados. Gostaria que continuassem com a gente. É o caso do lateral Cleidir, por exemplo", explicou. O treinador informou que alguns desses jogadores já chegaram a conversar com a direção do clube. "Por isso, não posso nem dizer que eles estão certos para defender a Tuna", lamentou.

"Goiano revelou, ainda, que sequer sabe qual o número exato de jogadores que tem no momento para a competição. "Não dá nem para informar com precisão, pois as negociações de renovação e contratação acontecem diretamente entre os atletas e a diretoria", justificou. A demora no fechamento do grupo, que se apresenta no dia 3 de janeiro, na Vila Olímpica, segundo Goiano, se deve à falta de dinheiro. "Temos uma lista de 35 jogadores, mas não podemos oferecer um salário acima do que podemos pagar", comentou.

As especulações nos corredores do Souza são de que a Lusa fixou o teto salarial em R$ 1 mil de salário. O valor estaria desanimando os jogadores que disputaram a primeira fase e servindo de desestímulo para aqueles que estão sendo procurados pela diretoria. "Não podemos fazer como Remo e Paysandu e até mesmo o Castanhal, que têm mais recursos financeiros que a Tuna. Temos de agir dentro de uma realidade", arrematou.

Apesar das dificuldades, a Lusa já fechou a aquisição do lateral-esquerdo Carlinhos Maraú (ex-Sport Belém), dos volantes Dudu (ex-Abaeté) e Leandro (ex-Abaeté), dos meias Nildo Júnior (ex-Ananindeua) e Robinho (ex-Abaeté) e do atacante Kanu (ex-Abaeté). O zagueiro George (ex-Santa Rosa) e o lateral Rairo (ex-Ananindeua) estão em negociações.
fonte: Amazônia Jornal

O LEGADO DA TUNA NA 1ª FASE

No início do ano, após a triste desclassificação ainda na 1ª fase do campeonato de 2010 (pelo segundo ano seguido), as nuvens negras pareciam paradas sobre a Tuna Luso. Temiamos um temporal de problemas sobre o clube naquele momento. Eis que o tempo foi passando e as coisas lentamente se ajustando.
Logo no início do segundo semestre de 2010 a diretoria da Tuna iniciou um plano de ação para juntar forças e agregar valores para tentar organizar o futebol profissional do clube. Contatou alguns colaboradores e fechou acordo com Flávio Goiano que tinha apresentado proposta para formar, em conjunto com a Tuna, um elenco caseiro e dentro da realidade do clube, mas ao mesmo tempo competitivo e capaz de conseguir a classificação para a fase principal do parazão 2011. Assim foi feito e Flávio Goiano iniciou seu trabalho de forma um pouco timida.
Flávio Goiano assumiu inicialmente o cargo de gerente de futebol e chamou o técnico Zé Carlos para coordenar o grupo. Com Zé Carlos veio o auxiliar Ney Sorvetão e a nova comissão técnica. Através de seus contatos, Flávio Goiano conseguiu trazer para compor o elenco da Tuna diversos jogadores. Um deles foi o bom meia Fininho, vindo do Peñarol do Amazonas, que se tornou o destaque da 1ª fase. O novo time começou então a ser formado e novos nomes apareciam a cada treino. Apesar de pouco saber sobre os novos jogadores, exceto alguns poucos que já eram conhecidos, incertezas reinavam junto a torcedor cruzmaltino e imprensa local. Apesar das incertezas, o que não faltava no grupo era disposição e vontade para treinar e ganhar a chance de defender a gloriosa camisa da Tuna Luso. Passado o dia da apresentação, a comissão técnica caiu na real e descobriu que faltava de tudo no departamento de futebol profissional da Tuna. Não tinha bolas, nem uniformes de treino, nem chuteiras, tão pouco havia material de medicina (ataduras, esparadrapos, dorflex, etc...) coisas básicas de treinamento. O diretor de esportes Arnaldo assumiu o cargo e passou a dar o suporte que a equipe precisava. Aos poucos conseguiu as coisas que faltavam e as coisas foram se ajustando graças a modesta ajuda da diretoria e de alguns colaboradores anônimos como os da ATAT que estavam sempre presentes e supriam o departamento com material conforme a necessidade exigia. Um dia aparecia jogos de camisas, no outro chegavam jogos de calções ou de meias, em seguida toalhas de banho, luvas de goleiros, cones de marcação de campo, ataduras, esparadrapos, frutas, etc. Conforme a comissão técnica necessitava e solicitava, o diretor Arnaldo e o pessoal da ATAT se viravam e conseguiam o material pedido (tudo através de doações anônimas). As coisas começaram a mudar e melhorar apesar de ainda estarem longe do esperado. O auxiliar técnico Ney recebeu proposta para dirigir o time do Abaeté e saíu do grupo antes do início da 1ª fase, abrindo espaço para a chegada do ex-jogador Mazinho que assumiu o cargo de auxiliar técnico.
Devido o atraso na reforma do gramado do Souza, a falta de campo para treinamento atrapalhou bastante o trabalho do treinador Zé Carlos mas mesmo assim o time não parou.
Foi feito um amistoso contra o time do Paysandu, na Curuzú, valendo a taça Lupercínio. O jogo terminou empatado em 1 a 1. A taça foi decidida através de cobranças de penalty e vencidda pelo Paysandu. O time jogou bem mas mostrou que precisava de mais jogadores para compor alguns setores do elenco.
Próximo de iniciar a 1ª fase chegaram os experientes jogadores Charles, Analdo, Negreti, André Luiz e Fabinho para se juntarem ao grupo. Começava então a ser formado um bom time, pelo menos na teoria! 
Chegou o tão esperado início da 1ª fase e a torcida cruzmaltina, fiel e saudosa por futebol, deslocou-se em pequeno número mas se fez presente no município modêlo para ver e trocer pela Águia guerreira. A 1ª fase é um torneio de tiro curto e disputado por apenas 8 equipes, sendo apenas 7 jogos para cada time, onde apenas 2 se classificam para a fase seguinte. Nessa fase, cada jogo é uma decisão e precisavamos fazer o maior número de pontos possível para conseguir a classificação.
O primeiro jogo contra o Castanhal, uma das mais fortes equipes concorrentes, foi fora de casa e seria a primeira prova de fogo real para a nova equipe da Tuna. Durante o jogo observamos um time nervoso, embolado no meio de campo e com um esquema tático complicado e defensivo demais. Alguns dos melhores e mais experientes jogadores do elenco ficaram no banco de reserva e só entraram quando não era mais possível reverter o placar. O jogo terminou 2 a 0 para o Castanhal que não precisou jogar muita bola para conseguir a vitória. Apesar do mal início a torcida absorveu desconfiada a derrota e deu um crédito de confiança para a equipe mas fez suas críticas em relação ao esquema tático do time. As críticas chegaram aos ouvidos do técnico Zé Carlos que parece não ter aceitou muito e deu suas justificativas para a derrota e por não ter colocado de início os jogadores Charles e Analdo. 
Veio o segundo jogo e conseguimos uma angustiante vitória de 2 a 0 sobre o fraco Time Negra. Apesar da vitória os problemas táticos permaneciam e quando pensava-se que as coisas entrariam nos trilhos tivemos a fatídica derrota por 2 a 1 para o nosso etérno carrasco, o Sport Belém. Ficamos numa situação complicada onde dos 7 jogos e 21 pts possíveis, só tinhamos vencido um jogo e já haviamos perdido 2 e 6 pts. Só no restavam 4 jogos e 12 pts para disputar. Na manhã seguinte (5ª) ao jogo contra o Sport foi realizada uma reunião na sala da presidência da Tuna entre diretoria, gerente de futebol, comissão técnica e representantes da ATAT. Na reunião foram discutidos diversos assuntos importantes e em comum acordo foi decidido que a partir daquela reunião o comando técnico da Tuna estaria interinamente sob responsabilidade de Flávio Goiano, passando o Zé Carlos a ocupar o cargo de coordenador de futebol. A partir da reunião as coisas começaram a mudar. Na parte da tarde Flávio Goiano apresentou-se ao elenco como novo técnico e imediatamente iniciou o treinamento mudando o esquema tático para 442. Com a mudança o time passou da água para o vinho e com o mesmo elenco a Tuna que só tinha 4 jogos e 12 pts para disputar, precisando vencer todos, cumpriu a difícil tarefa e logo no domingo seguinte bateu o então invícto Ananindeua pelo placar de 2 a 1, no Souza. A torcida ganhou nova esperança e o elenco se motivou. No jogo seguinte a Tuna venceu outro invícto, o Parauapebas pelo placar de 3 a 1, também no Souza. Agora só faltavam 2 jogos decisivos contra o Abaeté (adversário direto) e no jogo final, em Mãe do Rio, contra o quase rebaixado mas perigoso Santa Rosa. Vencemos o bom time do Abaeté por 1 a 0, novamente no Souza. No jogo final a Tuna não dependia apenas de suas pernas para obter a classificação. Precisaria vencer o Santa Rosa, em Mãe do Rio, e torcer para que Ananindeua e Castanhal, um dos dois, não vencessem  seus jogos. Tudo deu certo para a Tuna pois o Ananindeua empatou com o rebaixado Time Negra por 2 a 2 e o Castanhal penou para empatar com o Sport por 1 a 1. A partir desses resultados a Tuna dependeria de uma vitória simples e estava vencendo por 1 a 0 mas o Santa Rosa empatou no minuto seguinte e começou o sofrimento. O que não esperávamos era que a Tuna fizesse o gol da vitória aos 47' do segundo tempo, quase matando do coração a metade de seus torcedores. Com a espetacular vitória a Tuna finalmente conseguiu se classificar para a fase principal do campeonato paraense de futebol de 2011.   
Pela heróica classificação para a fase principal a comissão técnica e jogadores da Tuna receberam uma premiação especial (em torno de R$20.000,00) dada por um grupo de colaboradores cruzmaltinos e deverá receber em breve um complemento de premiação do pessoal da ATAT.  
A luta apenas começou e agora que é que o campeonato irá começar de verdade. Para isso conclamamos todos os torcedores e colaboradores cruzmaltinos para ajudarem a formar e manter um time competitivo.
Um Feliz Ano Novo para todos!

quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

Saudades de um querido tio tunante

Meu tio Antônio,
Era um homem bom
Boas lembranças
De meus tempos de criança
Ao seu lado.
Boas lembranças também
De um tempo não tão distante
Quando não era mais menino
Quando já estava grande.
Homem correto,
Sempre discreto,
Sempre honesto,
Sua riqueza
Era ser assim.
Português,
Vascaíno e tunante
De coração!
Quando se foi
Perdi meu tio e padrinho
E um amigo.
Minha mãe perdeu
Um bom irmão
Amigo de todas as horas.
Deixou-me em parte sozinho
Sem a sua companhia solidária.
Lembro-me quando conversávamos vários assuntos
Sobre o Brasil
Sobre o mundo
E de nossa Tuna:
Suas vitórias
E seus momentos difíceis.
Meu tio querido
Que nas visitas que eu fazia a sua casa
Já nos últimos anos que eu o vi
Mesmo já fraquinho
Fazia questão
De ir até o bar
E comprva refrigerante
Para me dar.
Quem sabe um dia meu tio
Poderei eu outra vez te visitar
Para te encontrar velho tunante
Em um lugar que agora me é distante
Para te abraçar
Ser recebido em tua nova morada
Mesmo sem refrigerante
Mas com Deus mais perto
O que é decerto
Muito mais importante!

Márcio Rodrigues
29/12/2010

Tuna: treinador investe em elenco campeão

A Tuna acertou a renovação de 12 atletas que disputaram a primeira fase do Parazão. São eles: os goleiros Cléber e André Luiz; os laterais Hugo de Leon (D) e Júnior (E); os meias Japonês, Negreti e Pituta; os atacantes Geovane e Hamilton; o zagueiro Bruno Oliveira e os garotos da base Léo e Pelezinho. Além desses atletas, a comissão técnica também será mantida, com o coordenador técnico Zé Carlos e o treinador Flávio Goiano.
     
Praticamente todos os contratos dos jogadores acabavam no dia 30 deste mês. Temendo o assédio de outros clubes e com muitos jogadores saindo, como o meia Fininho (Remo) e o volante Analdo (Águia de Marabá), melhores jogadores da equipe, a diretoria resolveu agir rápido.
     
Além da base, reforços já estão sendo encaminhados. Flávio Goiano já havia revelado ao Bola que procurava jogadores da primeira fase. E este desejo está se concretizando. O lateral-esquerdo Carlinhos Maraú (Sport Belém), o volante Dudu (Abaeté) e os atacantes Leandro Cearense e Kanu (Abaeté), são as caras novas no elenco.
fonte: Diário do Pará

terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Flávio Goiano, exclusivo: "quero armar um grande time"

O Blog conversou, hoje, com exclusividade, com o treinador campeão Flávio Goiano. O "Coach" cruzmaltino confirmou sua permanência e disse que acabara de conversar com Fininho, via telefone, e o meia amazonense falou do desejo de continuar na Tuna, " Aprendi a gostar da Tuna, que foi uma equipe que me valorizou e me deu todas as oportunidades", o meia falou para Flávio. Fininho fez uma proposta que o treinador iria passar ao presidente Fabiano Bastos. Outro que fez proposta para permanecer no Souza foi o zagueiro Charles, do Águia, um dos melhores da equipe tunante campeã da Primeira Fase. A proposta de Charles seria também apresentada ao presidente Bastos.
Flávio adiantou ao Blog que parte dos jogadores que disputaram a Primeira Fase permanecerão na equipe. Japonez, Kleber, André Luís, Negreti, já acertaram a permanência. "Estamos em contato com alguns jogadores que poderão reforçar a equipe. Alguns já estão praticamente fechados como Rairo e Leandro, lateral e volante do Ananindeua. Também estamos conversando com Kanu, Leandro Cearense e Deo Curuçá. São jogadores valorosos e dependendo das propostas, poderão vestir a jaqueta cruzmaltina", disse Goiano.

O treinador acredita que nem tudo está perdido com relação a Fininho e Charles. "São jogadores jovens, diferenciados e com certeza a pedida deles não é muito baixa. Pode até fugir da realidade da Tuna. Mas não é impossível aparecer um ou mais patrocinadores para ajudar o Clube nessas contratações. Se eles vierem é certeza de que a campanha da Tuna será uma das melhores", garante o treinador. Amanhã Fláviojá terá alguma posição sobre novos contratados.
fonte: Blog Didascália

Tuna terá que reformular elenco

Agora é oficial. O meia-armador Finininho não vestirá a camisa tunante na temporada 2011. Ele se apresentará ao Clube do Remo no próximo domingo (2), e deixará os torcedores da cruz de malta paraense “órfãos”, novamente, de um autêntico camisa 10 clássico. Desde a sua chegada, vindo do Peñarol (AM), em meados de novembro, o jogador sempre se destacou nos treinamentos, amistosos e jogos na primeira fase do Parazão. Fininho quase sempre conseguia roubar a cena.

Suas assistências precisas e, principalmente, seus chutes de fora da área foram decisivos para o acesso da Águia do Souza à elite do futebol paraense. De quebra, ainda foi o artilheiro da equipe na competição, com cinco gols. Não por acaso, chamou atenção do técnico remista Paulo Comeli. No jogo contra o Ananindeua, na quarta rodada da primeira fase, Fininho “acabou com o jogo”, sendo o melhor em campo e anotando os dois gols da vitória de sua equipe. Comeli, atento nas arquibancadas do Souza, prontamente o selecionou como possível reforço, concretizado oficialmente esta semana.

O maestro da equipe não será o único a se despedir. Todos os contratos dos jogadores cruzmaltinos se encerram na quinta-feira (30) e, pelo menos, seis atletas já estão confirmados para saírem. Além de Fininho, para o Clube do Remo, o zagueiro Charles e o volante Analdo voltarão de empréstimo ao Águia de Marabá. O lateral direito Cleidir, o zagueiro Cristovão e o volante Euller irão para o Itabaiana (SE), juntamente com o técnico Samuel Cândido, do Parauapebas.

O treinador e coordenador técnico, Flávio Goiano, lamenta as baixas, mas afirma que os dirigentes lusos já estão à procura de reforços. “Estamos vendo os atletas que se destacaram na primeira fase (Parazão), para repor as baixas. Temos alguns nomes”, afirmou. A apresentação do plantel ocorrerá na próxima segunda-feira, três de janeiro de 2011.
fonte: Rádio Clube do Pará

LISTA OFICIAL DO TOP 1OO DA TUNA


ATUALIZADA EM 28/12/2010

MÊS: DEZEMBRO/2010
01) Fernando (Rio-RJ) Série A (R$300,00)
02) Jaime Eiras (Rio-RJ) Série A (R$200,00)
03) Jair (Manaus) Série A (R$100,00)
04) Armando Mourão (Belém) Série A (R$100,00)
05) Márcio Rodrigues (Belém) Série B (R$80,00)
06) Von (Belém) Série B (R$50,00)

TOTAL ARRECADADO EM SETEMBRO: R$930,00
TOTAL ARRECADADO EM OUTUBRO: R$592,00
TOTAL ARRECADADO EM NOVEMBRO: R$860,00
TOTAL ARRECADADO EM DEZEMBRO (até 28/12): R$830,00
TOTAL GERAL ARRECADADO (SET/OUT/NOV/DEZ): R$3.212,00

R$3.212,00 (total geral arrecadado no TOP 100 da Tuna até 28/12/2010)
R$2.365,37 (total geral utilizado em compras até 28/12/2010)
R$846,63 (saldo em 28/12/2010)

CONTATOS PARA DOAÇÕES AO TOP 100:
Cesar Mineiro (cel. 091 8136-0266) cesar-bh@hotmail.com
João Araujo (cel. 091 9119-5753)
Gerardo Von (091 8882-1119) gerardo.monteiro@gmail.com

O sucesso e o futuro da Tuna depende da ação de todos nós.
Blog da ATAT: http://atat-pa.blogspot.com

segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

Tunantes trabalham na surdina para chegar fortes à fase principal

Enquanto os jogadores da Tuna curtem a folga concedida pela comissão técnica, após a classificação à fase principal do Paraense, a diretoria, em parceria com o treinador Flávio Goiano, trabalha nos bastidores. O objetivo é arrumar a casa para a participação da equipe na sequência do campeonato. Ontem pela manhã, no Souza, o presidente Fabiano Bastos, os dirigentes de futebol do clube e Goiano reuniram-se para definir detalhes relacionados à composição do elenco. Depois do encontro, que durou toda a manhã, o presidente anunciou o que já se esperava: a permanência de Goiano à frente do time, assim como todos os auxiliares do treinador.

Com relação à contratação, o cartola não informou nada de concreto. 'Temos necessidade de conseguir algumas peças de reposição em virtude da saída de alguns atletas, o que é normal', disse. 'Mas ainda não temos nomes certos. Nem as posições foram definidas, já que ainda estamos aguardando a definição de quem saiu do grupo realmente', comentou. Surgiram especulações em torno da transferência do zagueiro Cristovão, do lateral Cleydir e do volante Euller para o Itabaiana, de Sergipe. Bastos assegurou nada saber sobre o assunto.

'De oficial não existe nada', declarou. 'Não fui procurado pelos atletas ou seus representantes', completou. Vale salientar que o cartola também não sabia da ida do meia Fininho para o Remo, com o qual o atleta já havia assinado um pré-contrato antes mesmo do fim da primeira fase do campeonato. Ainda sobre as novas contratações, Bastos adiantou que a prioridade será dada para os jogadores locais, sobretudo aqueles que disputaram o Estadual por equipes eliminadas.
fonte: Amazônia Jornal

Minha querida Tuna Luso Brasileira.

Azulinos e Bicolores, quem aí nunca torceu pra Tuna?
 
Pois bem, conheço a Tuna Luso Brasileira desde pequeninha, quando eu nem sabia direito o que era futebol, numa época que nem passava pela minha cabeça ir em estádio pra ver jogo. A idéia impregnada é aquela de "Quais os principais times do Pará?" e ter o trio Remo, Paysandu e Tuna como resposta. Justo.
Mas bem sabemos, amigos paraenses, que a Tuna é um clube grande em reconhecimento, mas pequeno em estrutura e principalmente torcida. Ou melhor, torcida nem tanto... a Tuna consegue um feito bem legal na torcida paraense, que eu só fui perceber quando me joguei de cabeça, corpo e alma, no mundo do futebol. Todo mundo gosta da Tuna. Todos torcem por ela, só não quando joga contra o time que a pessoa ama.
Meu primeiro contato com a Tuna foi na ridícula Copa Centenário criada em 2008, onde disputaram Remo, Paysandu, Tuna e o extinto União Esportiva. Eu nem procurei saber direito sobre essa copa, e também nem me interessa porque foi tão ridícula que não vale a pena. Ao meu ver foi um campeonato criado pra ajudar a dupla Re x Pa a ganhar dinheiro com ingresso. Foi como unir o útil ao agradável. O problema é que os dois, Remo e Paysando perderam logo na estréia e o público foi pífio. Os dois times desistiram e os dois que restaram fizeram um jogo pra decidir quem era o campeão. Uma vergonha só.
Sim, voltando ao assunto. O Remo perdeu na estréia dessa Copa logo pra quem? Pra Tuna! Mas tinha que ser pra Tuna? Eu já tinha assistido jogos muito mais interessantes naquele ano, como Remo 3 x 3 Rio Branco-AC no Baenão. Nunca tinha visto o Remo perder e ele perde num jogo tão sem sal e pra Tuna? Odiei! hahah
A piada aqui é que a Tuna nem torcida tem, ou melhor... que a torcida dela cabe numa kombi. E foi usando essa piada certa vez conheci uma família Tunante. =O Confesso que fiquei deslumbrada. Na verdade eu sempre tive carinho por ela, a grande Águia Guerreira do Souza. Fui descobrindo isso aos poucos com o passar do tempo, apesar das minhas piadinhas.
Um certo dia de 2010 mandei um email para o programa Bola na Torre da TV RBA, filiada da Band aqui em Belém. Enviando o email eu concorreria a sorteio de camisas e outros prêmios. O primeiro prêmio sorteado foi a camisa oficial da Tuna, e adivinhem que nome saiu logo de primeira? Milene Sousa. =O Eu fiquei frustrada porque eu queria mesmo era oficial do Remo, claro e obvio, mas fiquei feliz da mesma forma. 
Então aconteceu uma coisa que eu não esperava. Alguns amigos que tinham visto o sorteio me pediram a camisa, outros queriam até mesmo comprar. E não foram poucos pedidos não... teve uma galera fazendo proposta de compra e troca. Fui buscar a camisa, que ficou um verdadeiro vestido em mim. Tamanho G. Gostei dela apesar de ter umas propagandas gigantescas da Cerpa na camisa. Mas enfim, decidi que ia ficar com ela e pronto. 
A Tuna estava  fora da elite do Campeonato Paraense desde 2007, e finalmente em 2010, agora no fim de Dezembro, com um gol aos 47 do 2º tempo, a Tuna Luso Brasileira voltou à elite do Parazão! \o/ Legal né? É, mas calma lá, não é bem assim a coisa... Muita calma nessa hora!
Chego em casa e vejo minha TL do twitter repleta de Tuna, Tuna pra lá, Tuna pra cá, todo mundo do meu twitter que é de Belém estava falando sobre a Tuna. O @sigaTuna estava dando RT a torto e a direito na galera, e eu percebi que eles comemoravam pensando no Remo. 
Coisa do tipo "Ei Remo, te cuida, a águia vai te bicar", "A Tuna ganhará do Remo a vaga da série D" e entre outras coisas desse tipo. Aí a coisa muda, né colega? Eu nem queria responder, nem comentar nada, mas já estressada de tanto ler, eu twittei "Tuna, eu gosto de ti, mas contra o meu Remo, vá pra pqp" :$
É isso mesmo! Eu adoro a Tuna, torço pra ela, mas contra o Remo ela é um adversário qualquer. 
O fato é que bicolores se tornam tunantes quando ela joga com o Remo, e azulinos fazem a mesma coisa quando ela joga com o Paysandu. Quando tem jogo só da Tuna, é possível ver azulinos e bicolores, com suas respectivas camisas de Remo e Paysandu torcendo por ela. Acho fantástico isso!
Tuna Luso Brasileira, não é apenas a minha queridinha, mas é a queridinha do Pará. 
E você? Já torceu pra Tuna? Qual a sua história? Me conte! ;D Hahaha.

P.s¹.: A foto que ilustra esta postagem foi tirada por mim. Sou eu com a camisa que ganhei no sorteio. =D
P.s².: Tentei sintetizar tudo o que eu queria falar, acho que consegui. =x hehehe

Saudações Azulinas. 
por: Milene Sousa

domingo, 26 de dezembro de 2010

Goiano desconhece saída do armador Fininho

Somente hoje, o técnico Flávio Goiano se reúne com o presidente Fabiano Bastos para discutir assuntos ligados à participação da Tuna Luso na fase principal do Paraense. Segundo o comandante cruzmaltinos, a prioridade é para a contratação de reforços. No entanto, Goiano declarou que ainda não tem definido o número de atletas que chegarão ao Souza.

"Ainda não sei de nada quanto a isso, pois só amanhã (hoje) é que vou conversar com o Fabiano para ver essa questão", ratificou. Goiano sabe, no entanto, que a aquisição de novos atletas é necessária já que o elenco sofreu algumas baixas.

Os primeiros a anunciar a saída do clube foram o zagueiro Charles e o volante Analdo. Ambos pertencem ao Águia, de Marabá, pelo qual deverão disputar a sequência do campeonato. Outro que também não vestirá mais a camisa da Lusa este ano é o armador Fininho. O atleta teve participação destacada na fase anterior do campeonato e despertou o interesse do técnico do Remo, Paulo Comelli. O jogador viajou para Manaus, mas antes anunciou que acertou sua ida para o Baenão. "Já tenho um pré-contrato assinado com eles", avisou o jogador, que nada informou à diretoria cruzmaltina.

"Não estou sabendo de nada sobre a ida dele (Fininho) para o Remo, só estou ouvindo comentários, mas de oficial, da parte do atleta, não me foi passado nada", declarou o presidente Fabiano Bastos. O treinador Flávio Goiano também disse nada saber sobre a saída do principal jogador do time na fase primeira do Estadual. "Não estou sabendo de nada até agora. Estão falando que ele saiu, mas tanto o jogador como a diretoria não me passaram nada sobre isso", garantiu Goiano.

A reapresentação do elenco acontece no dia 3 de janeiro. O grupo será submetido a uma bateria de exames médicos e, em seguida, os trabalhos propriamente ditos serão iniciados. Sem participar da etapa principal do Paraense desde 2008, a Lusa será uma das novidades no campeonato. Goiano tem boas perspectivas para a participação do time, mesmo reconhecendo que as atenções maiores estarão voltadas para Remo e Paysandu, as duas principais forças do futebol regional, vindo o Águia em seguida.

"Vamos tentar surpreender. A Tuna tem sua história no campeonato e vamos tentar resgatar os grandes momentos vividos pelo time na competição", disse Goiano.
fonte: Amazônia Jornal

A Tuna é fundamental

(Coluna publicada na edição do Bola/DIÁRIO desta quinta-feira, 23)


Há quase duas semanas, quando a Tuna foi fragorosamente derrotada pelo Sport e ficou a um passo da eliminação, escrevi uma coluna carregada de críticas à desambição da diretoria lusa. Reclamava do desmazelo com que o futebol era tratado no Francisco Vasques e chegava a questionar a opção, improvisada, por Flávio Goiano como técnico. Coincidência ou não, a partir daquele revés, a Tuna voltou a ser Tuna, confiante e vencedora.

Quem gosta de futebol sabe que o retorno da tradição tunante à divisão de elite é, seguramente, a melhor notícia deste final de temporada. A emoção provocada pelo desfecho surpreendente da definição das vagas, ontem, confirma a importância que a Tuna tem para o equilíbrio de forças no campeonato paraense. Irrompeu então, assim do nada, uma fiel e apaixonada torcida, que costuma ser discreta e ordeira até nas comemorações.

Até foguetes foram ouvidos pela cidade, em manifestações de contentamento mais comuns aos torcedores de Remo e Paissandu. Já nos acostumamos a ver no tunante um aficionado diferente, mais aferrado às tradições e sem aquela ânsia por conquistas tão comum a outras torcidas.

Ainda no domingo, fui ao estádio do Souza comentar o jogo contra o Abaeté para a Rádio Clube. Testemunhei a chegada de dezenas de torcedores, geralmente famílias inteiras, em clima de absoluta cordialidade, sem a postura ruidosa de remistas e bicolores. Avalio que isso só é possível pela ausência das famigeradas “organizadas”, responsáveis pelo acirramento de ânimos nos estádios.

Nas arquibancadas, até existem grupos uniformizados, mas que se comportam como desportistas. Não se vê apologia da violência, nem canções de guerra. Pode-se dizer que a Tuna tem uma torcida pacífica, essencialmente preocupada em torcer.

O emocionante final do jogo em Mãe do Rio, coroado pelo gol salvador de Giovane, foi a maior alegria cruzmaltina nos últimos anos. Mais que o título da primeira fase do Parazão e a classificação à etapa principal, o feito representa a ressurreição da Tuna para o futebol.

E isso não diz respeito exclusivamente aos tunantes. Significa que todas as demais torcidas saem lucrando, pois o campeonato não é o mesmo quando um clube centenário, detentor de dois títulos nacionais, é barrado no baile. O retorno da velha Águia garante um torneio com mais dois clássicos. Nesses tempos de times de aluguel e futebol-empresa, os demais clubes que me perdoem, mas a Tuna é fundamental.

A precária política de boa vizinhança entre Remo e Paissandu, que vinha sendo alardeada desde a negociação do atacante Héliton, com juras de amor eterno, parece em vias de virar guerra de bastidores. A trégua foi quebrada com a notícia de que a diretoria alviceleste passou a perna nos dirigentes azulinos. O atacante Rafael Oliveira, que vinha negociando com o Remo, firmou acordo para disputar o campeonato estadual pelo Papão.

CLUBES PARAENSES NO RANKING DA CBF

O Remo é o clube do Norte melhor situado no ranking de clubes da CBF (Confederação Brasileira de Futebol), no qual figura na 27ª posição, com 852 pontos, enquanto seu rival histórico, o Paysandu, encontra-se na 31ª colocação, com 655 pontos.
Na sequência dos paraenses melhores colocados aparecem a Tuna na 53ª posição com 357 pontos, o Águia esta na posição de número 180 com 21 pontos e o São Raimundo está na 208ª colocação com 11 pontos. O ranking de clubes da CBF é definido a partir das participações das agremiações em competições nacionais e a sua última atualização ocorreu em 11 de dezembro de 2009.
Em seguida, os 31 primeiros colocados e mais os destaques paraenses no ranking de clubes da CBF, que pode ser acessado integralmente no endereço www.cbf.com.br

Clube Posição Federação Pontos

GRÊMIO 1° RS 2.092
CORINTHIANS 2° SP 2.079
FLAMENGO 3° RJ 2.039
VASCO 4° RJ 2.031
SÃO PAULO 5° SP 1.997
ATLÉTICO 6° MG 1.979
PALMEIRAS 7° SP 1.956
INTERNACIONAL 8° RS 1.942
CRUZEIRO 9° MG 1.891
SANTOS 10° SP 1.746
FLUMINENSE 11° RJ 1.658
BOTAFOGO 12° RJ 1.615
GOIÁS 13° GO 1.478
CORITIBA 14° PR 1.473
GUARANI 15° SP 1.470
SPORT 16° PE 1.463
PORTUGUESA D 17° SP 1.366
ATLÉTICO 18° PR 1.320
BAHIA 19° BA 1.318
VITÓRIA 20° BA 1.291
NÁUTICO 21° PE 1.177
SANTA CRUZ 22° PE 1.136
PARANÁ CLUBE 23° PR 1.044
PONTE PRETA 24° SP 1.018
CEARÁ 25° CE 1.005
JUVENTUDE 26° RS 865
REMO 27° PA 852
FORTALEZA 28° CE 711
AMÉRICA 29° RN 703
CRICIÚMA 30° SC 688
PAYSANDU 31° PA 655
TUNA 53° PA 357
ÁGUIA 180° PA 21
SÃO RAIMUNDO 208° PA 11
fonte: Rádio Clube do Pará

Nota:
A Tuna Luso Brasileira foi o primeiro clube do Pará e da região norte do Brasil a disputar de um campeonato brasileiro, a Taça Brasil de 1959, ficando em 9º lugar na classificação geral entre 16 participantes campeões estaduais. Agora em dezembro a CBF reconheceu a Taça Brasil de 1959 e outros campeonatos antes de 1971 como campeonatos brasileiros. Sendo assim, a contagem de pontuações deve ser refeita para acertar as atuais colocações do ranking.

sábado, 25 de dezembro de 2010

Goiano: O senhor da virada

Flávio Goiano curte os louros de quem levou a equipe da rabeira da tabela à próxima fase do Parazão
por: Nildo Lima

De volta ao futebol do Pará, após ter sido ídolo das torcidas de Remo, Paysandu e da própria Tuna Luso na época em que era jogador, o goiano Flávio Ataíde Lopes Cavalcante, 38 anos, tem muito o que festejar neste final de ano. Ele é um dos principais responsáveis pela volta da Lusa à elite do Campeonato Paraense, o que não acontecia há dois anos. A conquista veio com a suada vitória - 2 a 1 - na última quarta-feira, diante do Santa Rosa. Mas a virada da Lusa na primeira fase da competição começou bem antes: no dia 12, quando o treinador estreou na direção da equipe, derrotando o Ananindeua, até então invicto e líder da competição. A partir daí, a Lusa passou a colecionar vitórias, encerrando sua participação na primeira fase do campeonato como primeira colocada, com 15 pontos.

Goiano assumiu a direção do time em substituição ao ex-treinador Zé Carlos, que não resistiu a derrota frente ao Sport Belém. De início, o novo treinador resistiu a ideia de ocupar o cargo, mas acabou cedendo aos apelos do presidente Fabiano Bastos e dos próprios jogadores do clube. Com o objetivo do time atingido, agora, Goiano deve continuar na direção da Lusa e já faz planos para isso, conforme diz nesta entrevista. O treinador, que nasceu em Goiânia, revela a receita que usou para tirar o time do atoleiro e levá-lo a classificação. Ele comenta, ainda, a saída de alguns jogadores do elenco, e a dramaticidade do último jogo. Segundo Goiano, esta não foi a primeira vez que passou por esse tipo de situação em sua carreira. Fechando o bate-papo, ele admite que as divisões de base da Lusa precisam voltar a revelar grandes jogadores.

De onde você tirou tanta confiança para afirmar que a Tuna estaria na fase principal do Paraense, quando o time caia pelas tabelas e muita gente não confiava mais?

Senti que o grupo reunia condições de chegar lá ao olhar nos olhos dos atletas. Dava para ver que todos estavam querendo conquistar uma das duas vagas. O trabalho do dia a dia também me passou essa certeza. O grupo mostrava vibração. A própria cobrança entre os jogadores era um sinal de que o time poderia avvançar no campeonato. Eles se cobravam muito antes, durante e após os treinamentos. Quando disse nas entrevistas que a Tuna chegaria à próxima fase não foi do nada. Foi de uma grande dose de confiança que me foi passado pelo grupo. Uma outra coisa que me passou a certeza na classificação foi a maneira como os atletas encaravam as cobranças da comissão técnica.

Qual a primeira medida tomada por você para tirar o time do fundo do poço em que se encontrava dentro da competição?

Acho que foi mexer com o estado emocional do grupo. Os atletas mostravam confiança, mas precisavam de uma palavra de incentivo, de motivação. Foi a primeira coisa que procurei fazer ao assumir o comando da equipe. Comentei com eles nas minhas preleções que o time tinha quatro decisões pela frente e que não podia vacilar em nenhuma das partidas. Eles entenderam a mensagem e o resultado veio. No jogo com o Santa Rosa, no vestiário lá de Mãe do Rio, falei ao grupo que a gente não só conseguiria a classificação, mas que ao final da rodada nossa equipe seria a primeira colocada. Foi com esse espírito que o grupo foi a campo.

A mudança de esquema tático, saindo daquele emaranhado de números para o tradicional 4-4-2, influenciou muito, concorda?

Veja bem, muita gente falou que o atleta paraense está acostumado a jogar no 4-4-2 e que qualquer outro esquema complica. Não é bem assim. O Águia joga há bastante tempo no 3-5-2 e tem feito boas campanhas. O que tem de ser levado em consideração é o material humano que o treinador tem em mãos. É assim que qualquer sistema de jogo funciona, ou seja, dependendo das peças que o comandante do time dispõe. É evidente que a volta de alguns jogadores, entre eles o Jaílson e o Fabinho, tiveram papel importante para o sucesso da equipe. Outros atletas, como o Fininho, por exemplo, passaram a render bem mais do que vinham rendendo. A própria entrada do Negretti ali no meio-campo deu uma consistência maior ao time.

Qual a importância do zagueiro Charles e do volante Analdo, jogadores mais experientes, para a arrancada da equipe?

Muito grande. São dois jogadores que somam bastante não só pela rodagem que têm, mas também pela qualidade técnica que possuem. No lance do gol do Giovanni, contra o Santa Rosa, que nos deu a classificação, o Analdo teve toda a calma para iniciar a jogada. Talvez um jogador com menos experiência não tivesse toda aquela calma que ele teve.

Agora, o Charles e o Analdo serão devolvidos ao Águia e o Fininho já acertou com o Remo, o que fazer diante dessa debandada, que deve levar outros atletas?

Francamente ainda não parei para pensar sobre isso. Acredito que a diretoria vá tentar segurar alguns desses atletas. Sei que é difícil em função da valorização do grupo. É evidente que também tive a oportunidade de observar alguns jogadores que disputaram a primeira fase por outras equipes e que agora estão desempregados e que poderão, quem sabe, reforçar nosso grupo. Tenho alguns nomes de fora do estado, mas isso precisa ser discutido com a diretoria. Cheguei a indicar, antes do começo do campeonato, dois jogadores, o meia Vitor Castro e o atacante Léo Andrade, mas eles acertaram com o Fortaleza/CE e a Ponte Preta/SP.

Você assumiu o comando do time numa emergência, o seu pensamento agora é permanecer no cargo?

Gostaria de continuar trabalhando na Tuna, independente de função. Não tenho ainda uma posição definitiva por parte da diretoria sobre essa questão. Isso fica a cargo da direção do clube. O presidente (Fabiano Bastos) já deu a entender que gostaria que eu continuasse na função de técnico, mas a gente ainda não conversou de forma oficial. Se realmente houve esse interesse de minha parte não haverá problema. Sigo trabalhando como treinador.

A classificação obtida diante do Santa Rosa foi a situação mais dramática vivida por você na carreira?

Foi uma delas. Tive um acesso na 2ª Divisão do Goiano nos mesmos moldes da que conseguimos em Mãe do Rio. Na época eu era auxiliar-técnico no Rioverdense/GO. Nosso gol aconteceu aos 40 minutos do segundo tempo. No Goiatuba, também lá de Goiás, aconteceu algo parecido com o ocorrido aqui na Tuna. Todo mundo dizia que o time já estava rebaixado e em sete partidas conseguimos cinco vitórias, garantindo a permanência da equipe na elite goiana.

Qual sua expectativa para a fase principal, que é, teoricamente, bem mais forte, contando com a presença de Remo, Paysandu e Águia, as três principais forças do futebol local?

Não é segredo para ninguém que Remo e Paysandu são sempre o fiel da balança no futebol do Pará. Mas não podemos esquecer que essa primeira fase foi bastante disputada, tanto que até a última rodada ninguém podia afirmar com segurança quem passaria à etapa principal do campeonato.

As divisões de base da Lusa contribuíram até que ponto com a campanha do time?

O grupo conta com apenas dois jogadores vindos das divisões inferiores. Não tenho dúvida de que é muito pouco. Por isso tive uma conversa com o presidente Fabiano (Bastos) para revitalizar as categorias inferiores, que tradicionalmente sempre revelaram bons jogadores. Acho que a base da Tuna está muito fraca. Precisamos voltar com urgência a revelar grandes craques. Acredito que acontecendo isso todo o nosso futebol sairá ganhando. A queda de Remo e Paysandu, ao meu ver, está relacionada a esse problema vivido pela Tuna. Quantos jogadores de Leão e Papão em outros tempos não foram revelados no Souza?
fonte: Amazônia Jornal

ENTREVISTA COM VICTOR TOURINHO

Segue abaixo entrevista com o jovem Victor Tourinho, torcedor tunante que virou celebridade em Belém neste semana após ter sido filmado pela TV, em plena Curuzú, secando o Ananindeua e depois escutando pelo rádio os minutos finais do jogo entre Santa Rosa e Tuna Luso, em Mãe do Rior. O jogo estava empatado em 1 a 1 e já nos acréscimos, sendo que a Tuna precisava desesperadamente da vitória para se classificar. Aos 47', o jovem Geovani, de apenas 20 anos,  fez o segundo gol da Tuna e quando escutou a narração, Victor não aguentou de emoção e deitou-se no chão, passando a chorar intensamente, dando um grande exemplo de paixão pelo clube cruzmaltino. Que a atitude de Victor sirva de exemplo para outros torcedores tunantes.

Veja abaixo a entrevista com Victor Tourinho: 

1) QUANTOS ANOS VOCÊ TEM, QUAL O COLÉGIO E SÉRIE QUE ESTUDA E QUANDO DESCOBRIU QUE ERA TORCEDOR TUNANTE?

R : 15 Anos, Universo, 2º ano, desde que eu me entendo por gente.

2) TEM MAIS ALGUM TUNANTE NA SUA FAMÍLIA?

R : Todos tunantes menos minha mãe e minha avó.

3) SEUS FAMILIARES E VC SÃO SÓCIOS DA TUNA?

R: Não

4) O QUE LEVOU VC A ESCOLHER A TUNA PARA TORCER?

R: Deus.

5) QUAL FOI SUA MAIOR ALEGRIA COM A TUNA?

R: Todos os jogos são alegrias pra mim, nas derrotas meu amor só aumenta.

6) QUAL FOI SUA MAIOR DECEPÇÃO COM A TUNA?

R: Vitória 3 x 0 Tuna.

7) O QUE VC ESPERA DO ATUAL TIME DA TUNA NA FASE PRINCIPAL?

R: Título, a Tuna é time grande e não consigo vê outra coisa que não seja a briga por títulos.

8) CONCORDA COM A PERMANÊNCIA DE FLÁVIO GOIANO COMO TÉCNICO?

R: Concordo.

9) TEM ALGUMA SUGESTÃO QUE GOSTARIA DE DAR PARA A CT E DIRETORIA DA TUNA?

R: Não sei muito bem sobre a atual situação do CT, a diretoria acho que tá dentro dos conformes.

10) POR QUE VC FOI NA CURUZÚ SECAR O ANANINDEUA?

R: Por que eu não pude ir pra mãe do rio, e eu tinha que apoiar a Tuna de algum jeito, resolvi ir secar o Ananindeua, graças a Deus deu certo.

11) GOSTARIA DE DEIXAR ALGUMA MENSAGEM AOS DEMAIS TORCEDORES DA TUNA

R: A Tuna precisa da gente, precisa dos torcedores. É mais que nosso dever acompanhar a Tuna, como tunante é obrigação nunca deixar a Tuna de lado, a Tuna tem que voltar pro lugar dela e isso depende também da gente então vamos lá FORÇA TUNA.

Perseverança - Autor do gol da classificação tunante fala sobre os percalços da carreira

Ele não apenas fez o gol da classificação da Tuna Luso Brasileira, na primeira fase do Parazão, como também colocou sua equipe na liderança do torneio. Contudo, pouca gente conhece o meia - com características de atacante - que fez o gol salvador da Tuna, aos 47 minutos do segundo tempo, no jogo contra o Santa Rosa, na tarde de anteontem. Geovane do Rosário Barroso, de 20 anos, ou simplesmente Geovane, saiu do banco para entrar na lista de heróis da Lusa.

Geovane é um fominha assumido. Segundo ele, se pudesse, treinaria de manhã e à tarde. Como boa parte dos brasileiros, o sonho de correr pelos gramados veio da infância. O nome lembra outro Geovane, aquele que também passou pela Tuna e brilhou no Santos e na Seleção nos anos 90. Mas o ídolo do Geovane do presente é outro: Kaká - atualmente no Real Madrid, da Espanha. 'Eu o admiro porque ele buscou muito os seus objetivos e, como todo jogador, quis jogar fora e conseguiu, depois de muito trabalho', justifica Geovane.

Ele diz que sempre deixou claro aos seus pais sua vocação. 'Eu sempre dizia para eles: se eu pudesse jogar todo dia, eu jogaria', brinca o atleta, de coração dividido entre Corinthians e Remo. E admite que, assim como muitos jogadores, sonha em jogar em um dos clubes.
Para ver a matéria completa assine O Liberal Digital.

Volta da Tuna fará bem ao futebol paraense

Volta da Tuna fará bem ao futebol paraense (Foto: Ney Marcondes)
(Foto: Ney Marcondes)
 
Numa análise fria, sem levar em conta delimitações geográficas, há uma nova ordem no futebol paraense. E a conotação é mais familiar à capital. Dos oito participantes do Campeonato temporada 2011, quatro são da Grande Belém: Paysandu, Remo, Tuna e Castanhal. Detalhe: a cidade de Castanhal fica distante pouco mais de uma hora via terrestre, então, foi incluída na análise.
A outra metade das equipes representam o interior: Águia de Marabá, São Raimundo de Santarém, Independente de Tucuruí e Cametá. Para ir a cada uma dessas regiões, excetuando-se Santarém, cujo acesso de ônibus ou carro é coisa de herói, toma-te horas de estrada. Chegar a Cametá, inclusive, é lidar com três balsas. Marabá e Tucuruí, no mínimo, por volta de seis horas ‘de chão’, como dizem. As viagens, entretanto, estarão mais escassas. A ascensão de Tuna e Castanhal interferiram num aspecto: a dupla Re-Pa vai pegar menos a estrada, vai se desgastar menos.
No plano teórico e considerando uma matemática simples, um título legítimo do interior será ainda mais difícil. Os mais credenciados voltam a ser: Águia e São Raimundo, nesta ordem de favoritismo. No entanto, não há favoritismo igual ao peso de Paysandu e Remo. Além de viajar menos, os titãs ainda terão uma tabela mais apropriada, com clássicos contra Tuna, realizados em Belém e, praticamente, de uma torcida só.
A tese do equilíbrio entre capital e interior também pode começar a desmembrar, mesmo que momentaneamente, outro mantra. Nos inúmeros e intermináveis mandatos do presidente da Federação Paraense de Futebol, Antônio Carlos Nunes, levantou-se a bandeira da necessidade de interiorização do futebol local. Mas não houve nexo em alguns casos.
Esqueça o projeto de desenvolver regiões mais desprestigiadas, como o assunto deve suscitar! E toma-te goela abaixo uma realidade, infelizmente, nacional: a de times emprestados a regiões, os famosos barrigas de aluguel. Em 2011, o Independente, sediado na Rodovia Augusto Montenegro, Conjunto Cohab Gl.I nº 293, Belém-Pará, de acordo com o próprio site da FPF, seguirá em Tucuruí. A volta da Tuna e do Castanhal, se prejudica a denominação de festa do interior, ao menos, ajuda a pôr os pingos nos is.
fonte: Diário do Pará http://www.diarioonline.com.br/

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Torcedores da Tuna também têm desafio

No dia seguinte à conquista da primeira fase do Parazão, o elenco cruzmaltino encontrou-se com torcedores na sede campestre da Tuna, na Avenida Almirante Barroso. Dentre os que sofreram acompanhando a partida contra o Santa Rosa, até o gol do atacante Geovane no finzinho, destaque para o estudante Vitor Fernandes, de 15 anos. Apesar da pouca idade, o jovem é fanático pela cruz de malta paraense. Acompanhou todas as partidas na capital do time na primeira fase e conta que quase foi ver seu time no interior. “Eu ia pra Mãe do Rio (local da partida), mas eu não ia aguentar. Tava quase ‘morrendo’ aqui, quanto mais lá. Fui na Curuzu, secar o Ananindeua. Graças a Deus, tudo deu certo!”, esbraveja o estudante, ainda muito emocionado.

Na quarta-feira (22), foi assistir a partida entre Time Negra e Ananindeua. Trajando as vestes de seu time, ficava ligado no radinho, acompanhando a partida da Tuna. Torcia pelo empate da Tartaruga, que dava direito a Águia depender apenas de uma vitória para se classificar. Na Curuzu, com o empate sacramentado, só faltava à vitória em Mãe do Rio. Foram 15 minutos de bastante tensão para o garoto, até o gol de Geovane, aos 47 minutos do segundo tempo.

Com a confirmação do tento, Vitor, de tão emocionado, não sabia nem como comemorar. Jogou-se no chão e chorou bastante. Parecia estar com o sentimento retido de toda a torcida tunante, que retorna após longo período fora da elite do Parazão. No encontro com os “heróis”, ele elegeu Fininho como o grande astro. “Todos jogaram muito bem, mas o Fininho arrebentou. Pena que ele vai sair”, lamenta. O camisa 10 tunante está de saída para o Clube do Remo. E a debandada do elenco não deve parar. Outros jogadores importantes podem sair a qualquer momento, como o zagueiro Charles e o volante Analdo, que devem retornar de empréstimo ao Águia de Marabá.
fonte: Diário do Pará

1959: TAÇA BRASIL - O primeiro campeonato nacional

O Campeonato Brasileiro de Futebol de 1959 foi a primeira edição deste torneio organizado pela CBD, a fim de indicar o campeão brasileiro de futebol de 1959, equipe esta que seria o representante brasileiro na primeira competição continental sul-americana, a Taça Libertadores da América de 1960.

A Taça Brasil de 1959 foi disputada por 16 clubes, que aparecem listados abaixo, com os respectivos estados em parênteses (vale lembrar que, na época, o Rio de Janeiro era a capital do Brasil, portanto o município correspondia ao Distrito Federal, e não pertencia ao estado do Rio de Janeiro. Consequentemente, os campeonatos estaduais também eram distintos). Os campeões do estado de São Paulo e do Distrito Federal já entravam na fase final.: 
  • ABC F.C. (Rio Grande do Norte)
  • Clube Atlético Mineiro (Minas Gerais)
  • Clube Atlético Paranaense (Paraná)
  • Auto Esporte Clube (Paraíba)
  • E.C. Bahia (Bahia)
  • Ceará S.C. (Ceará)
  • Centro Sportivo Alagoano - CSA (Alagoas)
  • Ferroviário E.C. (Maranhão)
  • Grêmio F.B.P.A. (Rio Grande do Sul)
  • Hercílio Luz F.C. (Santa Catarina)
  • Manufatora A.C. (Rio de Janeiro)
  • Rio Branco A.C. (Espírito Santo)
  • Santos F.C. (São Paulo)
  • Sport Club do Recife (Pernambuco)
  • Tuna Luso Brasileira (Pará)
  • C.R. Vasco da Gama (Distrito Federal)    
Os times eram divididos em Zonas, e as mesmas subdivididas em grupos.


Grupo Nordeste: ABC, Ceará, CSA e Bahia
Grupo Norte: Tuna Luso, Ferroviário, Sport e Auto Esporte
Grupo Leste: Rio Branco, Manufatora e Atlético/MG (finalista)
Grupo Sul: Atlético/PR, Hercílio Luz e Grêmio (finalista)

A final da Zona Norte era disputada entre os vencedores dos grupos Nordeste e Norte; já a final da Zona Sul era disputada entre os vencedores dos grupos Leste e Sul. Por fim, os campeões das duas zonas passavam às semifinais da Taça Brasil: o campeão da Zona Norte encarava o Vasco e o campeão da Zona Sul enfrentava o Santos nesta fase. 

PARÁ
A Tuna Luso Brasileira, clube fundado em 1903 por jovens da colônia portuguesa de Belém, por ter sido a campeã paraense de 1958, ganhou o direito de representar o Pará na Taça Brasil de 1959 e foi o primeiro time da região norte a participar de um campeonato brasileiro (hoje reconhecido pela CBF). Anos mais tarde, mais precisamente em 1985, a Tuna Luso novamente mostra seu  pioneirismo e passa a ser o primeiro time do Pará e do norte a conquistar um título nacional ao ser campeã da série B. Em 1992, mais uma vez a Tuna se torna campeã brasileira, dessa vez da série C. Portanto e definitivamente, a Tuna Luso faz parte da brilhante história de sucesso do futebol do Pará e do Brasil.   


Lista de jogos

1ª fase:
23/08/1959 ABC 1 x 1 Ceará
30/08/1959 Ceará 0 x 0 ABC
01/09/1959 Ceará 2 x 1 ABC
23/08/1959 CSA 0 x 5 Bahia
30/08/1959 Bahia 2 x 0 CSA
Ferroviário EC (MA) 1 x 3 Tuna Luso B (PA)
Local: Nhozinho Santos - São Luiz - MA
Renda: Cr$ 104.750,00
Juiz: Argemiro Felix (Sherlock)
Gols: Nabor 15', Chininha 49' e 64' e China 90'
FEC: Lessa; Esmagado, Santos e Mila; Vicente, Negão e Decadela; Pitú (Rui), Hamílton, Nabor e Laixinha.
Técnico: José Gonçalves da Silva
TLB: Espanhol; Sátiro, Nonato e Pinheiro; Acapui (Edílson) e Iran; Juvenil, China, Estanislau, Chininha e Índio.
Técnico: Miguel Cecim

30 de agosto de 1959
Tuna Luso B (PA) 1 x 3 Ferroviário EC (MA)
Local: Estádio do Souza - Belém - PA
Renda: Cr$ 53.730,00
Juiz: Argemiro Felix de Sena  (Sherlock)
Gols: Laixinha 12' (Tuna), Nabor 26' (Ferroviário), Hamilton 62' (Ferroviário) e Edílson 81' (Ferroviário)
 
TLB: Espanhol; Sátiro, Nonato e Pinheiro; Edílson e Iran; Juvenil (Acapui), China, Estanislau, Chininha e Índio.
Técnico: Miguel Cecim
 
FEC: Walter Penha; Esmagado, Decadela e Mila; Ribeiro e Negão (Rui); Pitú, Hamílton, Nabor e Laixinha e Neto.
Técnico: José Gonçalves da Silva
Jogo extra:
1º de setembro de 1959
Tuna Luso B (PA) 1 x 0 Ferroviário EC (MA)
Local: Estádio do Souza - Belém - PA
Renda: Cr$ 83.660,00
Juiz: Argemiro Felix de Sena (Sherlock)
Gol: Chininha 75' (Tuna)
 
TLB: Sarará; Sátiro, Nonato e Pinheiro; Acapui e Iran; Edílson, Índio, Estanislau, Chininha e Juvenil.
Técnico: Miguel Cecim
 
FEC: Walter Penha; Esmagado, Decadela e Mila; Ribeiro (Rui) e Negão; Pitú, Hamílton, Nabor e Laixinha e Neto.
Técnico: José Gonçalves da Silva


23/08/1959 Auto Esporte 0 x 3 Sport
30/08/1959 Sport 5 x 2 Auto Esporte

23/08/1959 Hercílio Luz 1 x 2 Atlético/PR
30/08/1959 Atlético/PR 1 x 0 Hercílio Luz

23/08/1959 Rio Branco 3 x 0 Manufatora
30/08/1959 Manufatora 0 x 1 Rio Branco

Finais dos grupos:
20/09/1959 Ceará 0 x 0 Bahia
27/09/1959 Bahia 2 x 2 Ceará
29/09/1959 Bahia 2 x 1 Ceará

Final
13 de setembro de 1959
Sport-PE 2 x 2 Tuna Luso-PA
Estádio da Ilha do Retiro, Recife

20 de setembro de 1959
Tuna Luso-PA 1 x 3 Sport-PE
Estádio do Souza, Belém
Árbitro: Orlando Pinto

13/09/1959 Grêmio 1 x 0 Atlético/PR
27/09/1959 Atlético/PR 0 x 1 Grêmio
13/09/1959 Rio Branco 2 x 2 Atlético/MG
20/09/1959 Atlético/MG 2 x 0 Rio Branco

Finais das Zonas:
27/10/1959 Bahia 3 x 2 Sport
30/10/1959 Sport 6 x 0 Bahia
03/11/1959 Sport 0 x 2 Bahia
18/10/1959 Atlético/MG 1 x 4 Grêmio
25/10/1959 Grêmio 1 x 0 Atlético/MG

Semifinais:
19/11/1959 Vasco 0 x 1 Bahia
24/11/1959 Bahia 1 x 2 Vasco
26/11/1959 Bahia 1 x 0 Vasco
17/11/1959 Santos 4 x 1 Grêmio
25/11/1959 Grêmio 0 x 0 Santos

FINAL DA TAÇA BRASIL DE 1959:


SANTOS F.C. 2 x 3 E.C. BAHIA
Data: 10 de dezembro de 1959
Local: Vila Belmiro - Santos/SP
Juiz: Alberto da Gama Malcher
Gols: Pelé aos 15' e Biriba aos 26' do 1º tempo; Alencar aos 12', Pepe (de pênalti) aos 32' e Alencar aos 44' do 2º tempo.
Santos: Manga; Getúlio e Dalmo; Urubatão, Formiga e Zito; Dorval, Jair Rosa Pinto, Coutinho, Pelé e Pepe. Técnico: Lula
Bahia: Nadinho; Leone, Henrique, Vicente e Beto; Flávio e Bombeiro; Marito, Alencar, Léo e Biriba. Técnico: Geninho

E.C. BAHIA 0 x 2 SANTOS F.C.
Data: 30 de dezembro de 1959
Local: Fonte Nova - Salvador/BA
Juiz: José Monteiro Alencar
Gols: Coutinho aos 8' e Pelé aos 31' do 2º tempo.
Expulsão: Dalmo (Santos)
Bahia: Nadinho; Leone, Henrique, Vicente e Beto; Flávio e Bombeiro; Marito, Alencar, Léo e Biriba. Técnico: Geninho
Santos: Laércio; Feijó, Getúlio e Dalmo; Formiga e Zito; Dorval, Urubatão, Coutinho, Pelé e Pepe. Técnico: Lula

E.C. BAHIA 3 x 1 SANTOS F.C.
Data: 29 de março de 1960
Local: Maracanã - Rio de Janeiro/DF
Juiz: Frederico Lopes
Gols: Coutinho aos 27' e Vicente aos 37' do 1º tempo; Léo 1' e Alencar aos 31' do 2º tempo.
Expulsões: Getúlio e Formiga aos 24', Coutinho e Vicente aos 32' e Dorval aos 33' do 2º tempo.
Bahia: Nadinho; Beto, Henrique, Vicente e Nezinho; Flávio e Mário; Marito, Alencar, Léo e Biriba. Técnico: Carlos Volante
SFC: Lalá; Getulio, Mauro, Formiga e Zé Carlos; Zito e Mário; Dorval, Pagão (Tite), Coutinho e Pepe. Técnico: Lula

O Esporte Clube Bahia se tornou o campeão brasileiro de 1959, conseguindo uma vaga para a Taça Libertadores de 1960.


fonte:
http://brfut.blogspot.com/2009/03/taca-brasil-1959.html
http://pt.wikipedia.org/wiki/Taça_Brasil_de_Futebol_de_1959#Primeira_fase